Foco definido para não errar na escolha

A tecnologia é cada vez mais necessária na vida das pessoas, seja qual for sua idade ou atividade profissional. Ela está na tevê da sala, no celular, no computador, na relação com o banco. Mesmo quem é alheio ao tema não vai demorar muito para conviver com a TV digital em casa. Assim como as possibilidades de descobertas parecem ser ilimitadas, o mesmo acontece para quem pensa em se tornar um empresário do setor, como mostra a reportagem de capa. Mas, como em todo negócio, é preciso ter uma idéia inovadora e pensar grande. É o que sustenta em artigo Silvio Meira, um dos criadores do Porto Digital, no Recife.Além dos negócios tecnológicos, um estudo do Sebrae de São Paulo aponta outros setores que vão dar o que falar até 2015. É o caso dos serviços para quem mora só ou para a terceira idade. Para pegar carona nessas áreas promissoras, a recomendação é fazer muitos estudos de mercado antes de tomar alguma decisão.Mas o que é uma boa idéia sem que se conheça bem o beabá de como se tornar um empresário? Daí a crescente procura por cursos de empreendedorismo, desde os gratuitos, como os oferecidos pelo Sebrae, até MBAs. Esse tipo de preparo poupou Gerson Santana Silva de engrossar as estatísticas de mortalidade dos negócios. Depois de algumas experiências infrutíferas, Silva decidiu estudar. Hoje fatura por mês cerca de R$ 300 mil, tem 15 funcionários e 3.500 clientes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.