Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Foco no crédito ao carro usado

Bancos vão entrar na estratégia de socorro ao setor

, O Estadao de S.Paulo

10 de janeiro de 2009 | 00h00

Maior gás para o financiamento de carros usados. Essa será a prioridade do Banco Votorantim depois da associação com o Banco do Brasil (BB), como parte também da estratégia do governo de socorro ao setor automobilístico para minimizar o impacto da crise no ritmo de crescimento da economia. O R$ 1,2 bilhão de dinheiro novo que o BB vai injetar no Votorantim, com o aumento de capital, será prioritariamente usado como "funding" para a ampliação da oferta de crédito de carros usados. Com a operação, o BB, que tinha apenas 4% do mercado de financiamento de veículos, passa a ocupar, junto com o Votorantim, a quarta posição no ranking nacional desse segmento. As vendas de veículos usados ficaram paralisadas depois que a crise financeira internacional fechou o crédito para os bancos pequenos e médios, os grandes financiadores desse mercado. O Votorantim também foi afetado pela restrição de crédito, principalmente depois do anúncio de que o Grupo Votorantim tinha registrado um prejuízo de R$ 2,2 bilhões com derivativos. No ano passado, no auge da crise, o BB já tinha comprado a carteira de carros do Votorantim. A expectativa do governo é de que as vendas de carros novos também peguem carona com o aumento da oferta de financiamento para os usados. É que, com a escassez de crédito, os preços dos carros usados tiveram forte desvalorização, desestimulando o consumidor a fazer a troca por um novo. "Os recursos adicionais do BB para o BV vão aumentar o financiamento de carros usados e novos", disse o ministro da Fazenda, Guido Mantega. O ministro destacou que o Votorantim tem uma grande carteira de crédito de bens duráveis, fazendo parcerias com terceiros, como lojistas. "É uma área em que o BB atuava, mas menos. É como se nós tivéssemos acoplado uma financeira a um banco."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.