Focos de aftosa são "acidente de percurso", diz Rodrigues

O ministro da Agricultura, Roberto Rodrigues, classificou hoje o registro de febre aftosa no Mato Grosso do Sul como "acidente de percurso". Ele lembrou que a Argentina registrou focos da doença em 2003; Coréia e Paraguai tiveram focos em 2002; França, Irlanda e Reino Unido em 2001; e Grécia e Japão registraram focos da doença em 2000.Segundo Rodrigues, essas informações comprovam que um país que é considerado livre de aftosa pode ter casos da doença. Ele lembrou que os Estados Unidos ficaram 26 anos sem casos de poliomielite, mas que há dois anos seis crianças ficaram doentes.No caso da febre aftosa, a Inglaterra, que teve um foco recentemente, gastou US$ 1,5 bilhão com as indenizações aos pecuaristas. Foram abatidos na Inglaterra 4 milhões de animais e registrados 2.030 focos da doença. Em audiência pública no Senado, o ministro disse que o foco do Mato Grosso do Sul não impede que o governo brasileiro peça à Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) que reconheça o sul do Pará como área livre da doença com vacinação em maio de 2006.Ações para controleEle fez ainda um balanço sobre as ações adotadas pelo governo federal para controle da febre aftosa em Mato Grosso do Sul. Disse que o governo federal vai destinar R$ 33 milhões para Mato Grosso do Sul e Paraná, caso seja confirmada suspeita de foco em quatro municípios paranaenses.De acordo com o ministro, desse total, R$ 6 milhões serão alocados para apoiar as famílias das regiões em que o comércio de bovinos e de subprodutos está proibido. Esse dinheiro será aplicado principalmente para ajudar famílias que tiram o sustento com a produção de leite.Outros R$ 20 milhões serão aplicados para indenização dos pecuaristas que tiveram animais sacrificados, como forma de conter o foco de aftosa. O ministro não informou em sua apresentação como será aplicado o restante dos recursos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.