Focus renova temor com meta de inflação e juros sobem mais

O reinício do ciclo de contração monetária, com alta de 0,50 ponto porcentual da taxa Selic, na semana passada, não conseguiu frear o processo de deterioração das estimativas de inflação, que continuaram piorando na pesquisa Focus, do Banco Central, divulgada ontem. O mercado, que dá como perdida a meta para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em 2011, agora também já começou a puxar as projeções para 2012, que estavam imobilizadas em 4,5% há 121 semanas. Por causa da Focus, os juros futuros voltaram a subir, em reação ainda ao avanço mostrado pelo IPC-S e com as expectativas para o IPCA-15 de janeiro, que sai amanhã. A taxa para abril de 2011 fechou em 11,38%, nivelado ao ajuste de sexta-feira. O juro para janeiro de 2012 terminou em 12,42%, de 12,37% no ajuste anterior, e a taxa de janeiro de 2013 foi para 12,77%, de 12,70%.

Denise Abarca, O Estado de S.Paulo

25 de janeiro de 2011 | 00h00

O dólar à vista começou a semana estável, cotado a R$ 1,6720, guiado pela tendência externa. As intervenções do Banco Central, que vendeu todo o lote ofertado de 20 mil contratos de swap cambial reverso em leilão e manteve a prática de realizar dois leilões de compra da moeda à vista, acabaram servindo apenas para impedir a queda abaixo da marca de R$ 1,67.

Sem destaques na agenda, a Bovespa registrou liquidez reduzida, mas conseguiu sair do campo negativo no início da tarde, para encerrar em leve alta, de 0,42%, aos 69.426,57 pontos. O resultado voltou a fazer o índice à vista retomar o sinal positivo em janeiro e no ano, de +0,18%. O giro financeiro somou R$ 3,992 bilhões, o menor do mês, encolhido também por causa do feriado do aniversário da cidade de São Paulo hoje.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.