Foi à caça de uma vaga na agência e acabou contratada

Ludmila Alessandra do Carmo foi à agência de empregos Psiquê RH, em Osasco (SP), para deixar seu currículo, já que não queria virar o ano desempregada. Deu sorte. Lá mesmo, depois de passar por um teste em que disputou a vaga com quatro candidatos, acabou empregada. Desde 4 de dezembro, ela é uma das responsáveis pela triagem de pessoal.Desde que deixou a função de checadora de dados para liberação de material cirúrgico para os clientes do Grupo CRC de assistência médica, em Barueri (SP), há quatro meses, Ludmila estava na batalha pela nova vaga. "Fiz dois anos de um curso de psicologia, mas preferi deixar porque não estava satisfeita", diz. "Vou começar em breve um curso de gestão de RH, que é com o que mais me identifico. Por isso fiquei bem feliz com essa vaga."Aos 25 anos, Ludmila conta que estar empregada era fundamental para poder pagar o seu curso e avançar no seu projeto profissional.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.