Carlos Silva/Mapa
Carlos Silva/Mapa

Foi bom que tenha acontecido a Carne Fraca, pois foi superada, diz Maggi

Ministro da Agricultura fez a afirmação em evento que lançou o Selo Agro Mais Integridade, destinado a premiar empresas do setor que adotarem práticas de gestão capazes de evitar desvios de conduta

Carla Araújo e Felipe Frazão, O Estado de S.Paulo

12 Dezembro 2017 | 17h48

BRASÍLIA - O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, afirmou que a Operação Carne Fraca, deflagrada pela Polícia Federal em março deste ano e que prejudicou fortemente as exportações brasileiras de carnes, com o fechamento momentâneo de vários mercados, foi positiva, pois foi superada. 

"Passado esse tempo, tenho que admitir que foi bom que tenha acontecido a Carne Fraca. Foi bom porque passamos por ela", disse, durante cerimônia de lançamento do Plano Agro+ Integridade, no Palácio do Planalto.

++Fiscal que originou a Carne Fraca relata à Justiça irregularidades em frigoríficos

O evento desta terça-feira, 12, que contou com a presença do presidente Michel Temer, marca o lançamento do Selo Agro Mais Integridade, que funcionará como um "prêmio" para empresas e entidades do setor que adotarem práticas de governança e gestão capazes de evitar desvios de conduta. 

++Exportação de carne se recupera, mas com restrições

Segundo o ministro, a Operação Carne Fraca foi um ponto de partida para projetos de governança. "O compliance que estamos apresentando aqui é uma das lições que tiramos desse processo", disse. 

Blairo Maggi disse ainda que o Ministério da Agricultura conseguiu sanar uma das principais reclamações de importadores, que identificaram problemas no sistema de fiscalização e gestão e afirmou que agora não há mais interferência política na gestão da Pasta.

++País pressiona contra barreiras da UE ao frango; exportação recuou 17,5%

Ele afirmou que não há mais indicação política nas superintendências responsáveis por monitorar a produção agrícola nacional. E disse que agora os técnicos têm preponderância nas discussões internas, mas que há a possibilidade de recursos para as empresas, para que elas não se sintam "reféns" de técnicos da esfera federal nesse processo.

Ainda em seu discurso, o ministro citou a queda da inflação e afirmou que "culparam" o agronegócio pela redução dos preços. "Essa é uma culpa muito gostosa", disse. 

Maggi comentou também que apenas 9% do território nacional é ocupado pela agricultura e, em comparação, disse que 13% são terras indígenas. "Só para mostrar que o Brasil cuida dos seus indígenas e o pouco (de área que é) usado para agricultura", afirmou.

Ele disse que, em toneladas, a produção que precisa ser escoada pelo País é superior à de minério, alcançando 1,6 bilhão de toneladas. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.