Dida Sampaio/ Estadão
Dida Sampaio/ Estadão

ESG

Coluna Fernanda Camargo: É necessário abrir mão do retorno para fazer investimentos de impacto?

Fome e miséria matam historicamente mais que qualquer epidemia, diz ministro

O ministro da Cidadania afirmou ainda que é uma questão de 'justiça' pedir honestidade intelectual no debate sobre os impactos econômicos da pandemia

Idiana Tomazelli, O Estado de S.Paulo

15 de maio de 2020 | 18h42

O ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, defendeu a posição do presidente Jair Bolsonaro de se preocupar com o impacto econômico das medidas de isolamento social como forma de combate ao avanço do novo coronavírus. Segundo o ministro, “fome e miséria matam historicamente mais que qualquer epidemia”. O Brasil já registrou 13.993 mortos pela covid-19, segundo a contabilidade oficial do Ministério da Saúde.

Bolsonaro tem escalado empresários e ministros para pedir a abertura dos estabelecimentos comerciais alegando que a economia está “no limite”.

“O presidente vem sendo agredido porque ousou preocupar-se com todos. Parece que só poderia se olhar em uma direção”, disse Onyx na abertura de uma entrevista coletiva no Palácio do Planalto sobre o pagamento da segunda parcela do auxílio emergencial de R$ 600 a informais. O governo prevê pagar mais de R$ 120 bilhões ao longo de três meses como forma de ajuda às famílias que precisaram justamente parar de trabalhar durante o período mais crítico da pandemia da covid-19.

Segundo o ministro da Cidadania, o presidente deu à área da saúde condições para que o SUS se fortalecesse, além de ter dado apoio a governadores e prefeitos. “Por outro lado, o presidente foi a primeira voz a dizer que é preciso se preocupar com Brasil como um todo”, disse Onyx. “Fome e miséria matam historicamente mais que qualquer epidemia”, acrescentou.

O ministro da Cidadania afirmou ainda que é uma questão de “justiça” pedir honestidade intelectual no debate sobre os impactos econômicos da pandemia. Ao defender a abertura, o ministro argumentou que o Brasil, segundo ele, é um dos países com menor número de óbitos por milhão de habitantes.

“Entendemos a necessidade de todos”, disse Onyx. “Não faltou dedicação para o auxílio chegar a 59 milhões de brasileiros.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.