Fonseca se prepara para assumir Transbrasil

O empresário Dilson Prado da Fonseca que comprou a Transbrasil, já está se preparando para assumir de fato a companhia aérea, independentemente das investigações do Ministério Público Federal e da polícia de Goiás.Nesta semana, ele mandou colocar em condições de uso uma mansão alugada pela empresa no Park Way, região nobre de Brasília. Evangélico, Fonseca também tratou de retirar a imagem de Nossa Senhora do Loredo da sala da presidência da Transbrasil no Distrito Federal, antes ocupada pelo comandante Omar Fontana fundador da empresa. A santa é a padroeira dos aviadores.A Casa da Concórdia, nome do local onde o empresário irá residir, pelo menos no período em que estiver em Brasília, sede oficial da Transbrasil, fica próxima a outras residências importantes, como a do embaixador americano no Brasil. Tem cinco quartos, várias salas, uma grande churrasqueira , quadra poliesportiva, piano e um órgão eletrônico importado por Fontana que gostava de compor canções utilizando o aparelho.Na garagem da casa está uma relíquia: um Ford Bigode ano 1929. No fundo do quintal, uma pocilga e uma pequena granja, que fornecem galinhas e porcos para o consumo interno da residência.A assembléia-geral da Transbrasil, que provavelmente confirmará a venda para Fonseca, será realizada no hangar da empresa no Aeroporto Internacional Juscelino Kubitchek. É justamente neste local que o novo proprietário da companhia aérea irá despachar.Investigação - Até o final da tarde de hoje (29), o Ministério Público Federal estava concluindo o pedido de auditoria fiscal que requisitará à Receita Federal sobre Fonseca e o ex-presidente da Transbrasil Antônio Celso Cipriani.Segundo o procurador Luiz Francisco de Souza, a devassa tem por objetivo confirmar se o empresário tem ou não idoneidade para adquirir uma companhia aérea deste porte e com dívidas superiores a R$ 900 milhões. No pedido, Souza relata as dúvidas do negócio, em função de Fonseca ser um pequeno empreendedor. As mesmas suspeitas levantadas pela polícia de Goiás.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.