portfólio

E-Investidor: qual o melhor investimento para 2020?

Força defende parcela extra do seguro-desemprego para todos

Segundo presidente da entidade, 'é preciso sensibilidade e estender este amparo social' para todos os setores

Carolina Ruhman, da Agência Estado,

24 de março de 2009 | 18h57

A Força Sindical avaliou que a decisão do governo de ampliar o número de parcelas do seguro-desemprego para alguns setores da economia poderá amenizar a situação econômica dos trabalhadores desempregados, mas defendeu que a medida seja estendida a todos os trabalhadores que perderam o emprego. "É preciso sensibilidade e estender este amparo social", afirmou o presidente da Força, Paulo Pereira da Silva, o Paulinho.

 

Veja também:

especialDe olho nos sintomas da crise econômica 

especialDicionário da crise 

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise  

 

Segundo o anúncio feito nesta terça-feira, 24, pelo ministro do Trabalho, Carlos Lupi, 103.707 trabalhadores que foram demitidos em dezembro do ano passado terão direito a receber duas parcelas extras do seguro-desemprego. Serão contemplados trabalhadores de 16 Estados e de 42 subsetores, que receberão não as atuais cinco, mas sete parcelas.

 

"A Força Sindical defende desde o início da crise internacional e do crescimento no número de fechamento de postos de trabalho no País o aumento para 12 do limite das parcelas do seguro-desemprego", ressaltou o presidente da central. Ele destacou que o tempo de recolocação do trabalhador no mercado é de cerca de 9 meses, de acordo com os dados do Dieese, e lançou um alerta: "(o tempo) deve aumentar devido ao fechamento de milhares de postos de trabalho e incertezas econômicas que atingem diversos setores de forma nefasta".

 

Avaliação semelhante foi feita pelo Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo. "A limitação das parcelas para apenas um grupo de desempregados - demitidos em dezembro e dos setores mais atingidos pela crise - impede que a medida atinja o seu real objetivo, de dar amparo social de maneira ampla", afirmou o presidente da entidade, Miguel Torres.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.