Força Sindical distribuirá 5 toneladas de carne amanhã

A Força Sindical distribuirá amanhã, a partir das 10h30, na Praça da Sé, cinco toneladas de carne doadas por frigoríficos do interior de São Paulo. O objetivo é ajudar a afastar temores relacionados à incidência de febre aftosa no País, protestar contra restrições de 50 países à carne brasileira e buscar uma estabilidade maior para categorias profissionais ligadas ao segmento de frigoríficos. Segundo estimativas da Força, entre 5 mil e 7 mil pessoas compareceram ao churrasco, realizado em São PauloA distribuição de carne sucede um churrasco realizado hoje pela Força, no bairro da Liberdade, na capital paulista, também para protestar contra os efeitos da febre aftosa.Na ocasião, o presidente da entidade, Paulo Pereira da Silva, o Paulinho, e o presidente do Sindifrios, Edivar Vilela de Queiroz, assinaram um acordo de estabilidade de emprego por 30 dias para os trabalhadores de frigoríficos. Segundo estimativas da Força, entre 5 mil e 7 mil pessoas compareceram ao evento.O principal objetivo do ato foi provar a autoridades internacionais que a carne brasileira é boa e que os focos da febre aftosa, identificados no País, são eventos localizados. Os sindicalistas também aproveitaram o ato para chamar a atenção do governo. Uma faixa com os dizeres "a carne brasileira é boa, o governo é que não presta", escrita em português e inglês, dava o tom da manifestação. "O governo precisa ser ágil e parar de falar bobagens", diz o presidente da Força Sindical, Paulo Pereira da Silva, o Paulinho (à direita)"O governo precisa ser ágil e parar de falar bobagens", afirmou Paulinho, referindo-se ao fato de Lula ter anunciado o controle da doença e em seguida surgirem novos focos. Ele alerta que o embargo à carne brasileira põe em risco cerca de 30% dos empregos diretos do setor.Já o secretário de Agricultura e Abastecimento do Estado, Duarte Nogueira, também presente ao ato, calcula que os prejuízos do embargo possam ser da ordem de US$ 180 milhões a US$ 300 milhões para o Estado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.