Ford anuncia prejuízo de US$ 8,7 bilhões no 2º trimestre

No mesmo período de 2007, a segunda maior montadora dos EUA havia obtido lucro de US$ 750 milhões

Agências internacionais,

24 de julho de 2008 | 09h02

A Ford, segunda maior montadora dos EUA, anunciou nesta quinta-feira, 24, um prejuízo de US$ 8,7 bilhões para o segundo trimestre, devido a uma queda nas vendas de carros esportivos e caminhonetes grandes. A perda totaliza US$ 3,88 por ação e se compara com o lucro de US$ 750 milhões ou US$ 0,31 por ação obtido no mesmo período de 2007. Já a receita recuou 13%, para US$ 38,6 bilhões.   Veja também: Entenda os efeitos da crise nos Estados Unidos Cronologia da crise financeira   A companhia também anunciou que está acelerando a mudança de seu foco para carros - a Ford está convertendo três unidades de caminhões e veículos utilitários esportivos (SUVs) na América do Norte para produzir veículos pequenos. A primeira conversão ocorrerá em dezembro. A montadora também lançará nos EUA seis modelos de veículos que já existem na Europa e prometeu duplicar até 2009 a produção de veículos híbridos, um dos segmentos que mais tem crescido nos últimos anos.   No ano passado e no primeiro trimestre deste ano a Ford surpreendeu os analistas ao divulgar lucro enquanto as concorrentes perdiam força, mas a montadora não conseguiu sustentar os ganhos no último trimestre, já que os preços do aço continuam disparando nos EUA e que a demanda por automóveis segue em queda.   "Continuamos tomando ações decisivas em resposta às rápidas transformações do ambiente de negócios e continuamos totalmente comprometidos com nosso plano de transformação de negócios", afirmou o executivo-chefe da montadora, Alan Mullaly. Já o diretor-financeiro, Don Leclair, disse que a companhia tem liquidez suficiente e que não precisará levantar capital extra.     Renault anuncia demissões   A Renault também divulgou seu balanço nesta quinta e, apesar dos bons números, anunciou um corte de funcionários que poderá chegar a cinco mil pessoas e acontecerá especialmente na França. A montadora francesa registrou um lucro de 1,467 bilhão de euros (US$ 2,2 bilhões) no primeiro semestre, uma alta de 36,7% em relação ao mesmo período de 2007.   O programa de demissão voluntária vai gerar uma economia à Renault de 350 milhões de euros no próximo ano e de cerca de 500 milhões de euros em 2010.   O faturamento mundial da Renault foi de 20,942 bilhões de euros entre janeiro e junho, uma alta de 2,3% em relação ao mesmo período de 2007, dos quais 19,887 bilhões vieram da atividade automobilística e o restante do financiamento de vendas.   O resultado da Renault não incorpora a contribuição da Nissan do segundo trimestre, que será divulgada no dia 1º de agosto, por isso a alta pode ser ainda maior, disse o responsável financeiro da Renault, Thierry Moulonguet. Ele destacou que esses números comprovam "a boa resistência da Renault em um contexto difícil".

Mais conteúdo sobre:
FordRenault

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.