Divulgação
Divulgação

Ford concede férias coletivas a 6.800 funcionários da fábrica na Bahia

Férias ocorrerão a partir da próxima segunda-feira, 14, e durarão até 2 de outubro; em nota, montadora justificou a decisão pelo objetivo de 'ajustar os níveis de produção à demanda de mercado'

ANTONIO PITA, Estadão Conteúdo

09 Setembro 2015 | 18h37

Com estoques cheios, a Ford confirmou nesta quarta-feira, 9, que dará férias coletivas aos funcionários da unidade Camaçari, na região metropolitana de Salvador. Ao todo, 6.800 operários das áreas de produção terão as atividades suspensas entre setembro e outubro, segundo comunicado da montadora. Em agosto, a Ford já tinha oferecido folgas a diferentes setores produtivos na mesma unidade.

As férias ocorrerão a partir da próxima segunda-feira, 14, e durarão até o dia 2 de outubro. Em nota, a empresa justificou a decisão pelo objetivo de "ajustar os níveis de produção à demanda de mercado".

No último mês, a empresa já havia adotado um modelo de folgas coletivas, com rodízio entre os diferentes segmentos produtivos. Os funcionários foram divididos em três turnos, com folgas distribuídas ao longo da semana, tendo as atividades paralisadas completamente em pelo menos dois dias.

Inaugurada em 2001, a unidade tem capacidade para produzir cerca de 250 mil veículos por ano. Ao todo, são cerca de 3,3 mil funcionários próprios e outros 3,5 mil funcionários de empresas parceiras, situadas no parque instalado para atender à demanda da montadora. A Ford possui outras três unidades no País.

De acordo com a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), até o último mês, a produção de automóveis, veículos comerciais leves, caminhões e ônibus caiu 16,9% em comparação com o ano passado. Em agosto, o nível de produção foi o pior em dez anos. As vendas também estão em queda, acumulando perdas de 21,4% até agosto, na comparação com os emplacamentos realizados no último ano.

Mais conteúdo sobre:
fordeBahiaférias coletivas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.