Ford contrata 500 engenheiros para centro de desenvolvimento na Bahia para exportar serviços

Empresa encerrou toda a produção de veículos no Brasil no ano passado, mas mantém área de pesquisa e desenvolvimento que será ampliada; centro faz ajustes em carros importados e participa de projetos globais de novos produtos e serviços

Cleide Silva, O Estado de S.Paulo

24 de maio de 2022 | 17h33

Embora tenha fechado suas fábricas no Brasil, a Ford manteve na Bahia um centro de pesquisa e desenvolvimento e anunciou na tarde desta terça-feira, 24, que contratou 500 engenheiros, elevando para cerca de 1,5 mil o total de profissionais nessa área.

O centro tem atualmente 25% de suas atividades voltadas às adaptações necessárias aos modelos importados pela marca e 75% na cooperação e desenvolvimento de projetos globais.

“O time brasileiro tem uma contribuição importante na engenharia global da Ford, desenvolvendo produtos, patentes, tecnologias e softwares que estão ajudando a moldar o futuro da mobilidade”, afirmou, em nota, o presidente da Ford América do Sul, Daniel Justo. “É uma prova da capacidade e da competitividade do nosso País em exportar projetos e conhecimento”.

Antes instalado na fábrica de Camaçari - que agora esta à venda -, o centro foi transferido para o Cimatec Park, no complexo local do Senai que funciona como um ecossistema de inovação.

A convite da Ford, o governador da Bahia, Rui Costa, visitou hoje o novo centro, que está passando por ampliação, e foi informado das 500 contratações feitas ao longo deste ano. O centro inclui também o campo de provas em Tatuí (SP).

Setor passa por transformação global

Justo destacou o momento de transformação vivido pela indústria automotiva global, com a introdução de novas tecnologias - como a de carros elétricos -, e mudanças de hábito dos consumidores, o que, segundo ele, abre oportunidades para o aproveitamento da especialização e do conhecimento da equipe da Ford brasileira, mesmo que o grupo não mantenha mais produção local de veículos.

Além de parcerias com instituições como a Universidade Federal da Bahia e o Senai, a Ford mantém programas de treinamento, palestras e workshops para atração e desenvolvimento de novos talentos. A empresa oferece ainda um curso de desenvolvimento de software, criado em parceria com o Senai Cimatec, com 80 vagas gratuitas para pessoas de baixa renda.



 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.