Nacho Doce/Reuters
Nacho Doce/Reuters

Ford encerra produção de caminhões em fábrica de São Bernardo do Campo

Fechamento da fábrica foi anunciado em fevereiro; empresa aguarda fim das negociações de venda para o grupo brasileiro Caoa

Ana Luiza de Carvalho, O Estado de S.Paulo

30 de outubro de 2019 | 10h43

A Ford anunciou, nesta quarta-feira, 30, o encerramento da produção de caminhões da fábrica em São Bernardo do Campo (SP).  O fechamento da unidade já havia sido confirmado em fevereiro. ​Por meio de nota, a Ford afirmou que a suspensão da produção ocorre "em linha com a decisão de sair do segmento de caminhões na América do Sul". "A ação em São Bernardo foi difícil, mas necessária para a reestruturação dos negócios da empresa", afirmou a empresa.

Com a medida, cerca de 650 funcionários devem ser dispensados. Outros mil da seção administrativa da empresa devem continuar na empresa até março. De acordo com o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, a unidade tinha 2,8 mil funcionários à época do anúncio de encerramento das atividades. Desde então, 1,5 mil trabalhadores foram demitidos, a maioria pela adesão a um Programa de Demissão Voluntária (PDV). 

Em junho, 750 funcionários que trabalhavam na linha de produção Fiesta foram demitidos após o fim da fabricação do modelo. A produção de caminhões seria mantida até novembro, quando seriam finalizadas as negociações de venda para o grupo brasileiro Caoa.  Até o momento, porém, a Caoa não conseguiu levantar os recursos necessários para efetivar a compra, anunciada no início de setembro.

"As negociações envolvendo a venda da planta para o grupo CAOA ainda estão em andamento, sem decisão conclusiva até o momento, e a Ford reitera que continua fazendo todos os esforços cabíveis para alcançar um resultado positivo", afirmou a Ford por meio de nota.

A empresa também agradeceu ao empenho dos funcionários. “Mesmo após o anúncio feito em fevereiro, eles nunca deixaram de cumprir com suas obrigações, produzindo produtos de altíssima qualidade e cuidando da segurança”, afirmou Lyle

Watters, presidente da Ford América do Sul.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.