Ford, GM e Chrysler querem empréstimo de US$ 25 bi dos EUA

De acordo com artigo do WSJ, governo ajudou empresas de hipotecas e deve fazer o mesmo com carros

Marcílio Souza, da Agência Estado,

22 de agosto de 2008 | 16h40

As três grandes montadoras de Detroit - Ford, General Motors e Chrysler - planejam pedir ao governo norte-americano um empréstimo de US$ 25 bilhões à taxa de 4,5%, cerca de um terço do nível de juros que essas empresas estão pagando atualmente. De acordo com um artigo publicado no site do Wall Street Journal, lobistas das três fabricantes já se reuniram com representantes do governo de George W. Bush na Casa Branca e com democratas de Michigan e pretendem anunciar oficialmente esse pedido após o dia do Trabalho nos EUA (primeira segunda-feira de setembro), aproveitando o burburinho da campanha presidencial norte-americana. O candidato democrata à presidência dos EUA, Barack Obama, sinalizou recentemente que está aberto ao empréstimo de recursos federais que ajudem as empresas a investir em tecnologia "renovável", e os senadores John Dingell e Debbie Stabenow apóiam o empréstimo de US$ 25 bilhões às montadoras como parte de um estímulo econômico. O cálculo das fabricantes, segundo o WSJ, é simples. "Tendo visto a forma como Washington se curvou aos pedidos de ajuda feitos por instituições ligadas ao setor de hipotecas e pelos bancos, por que as montadoras também não deveriam tentar?", explica o artigo. As companhias também podem alegar com razão que foram prejudicadas por erros da política de Washington. O dólar fraco contribuiu para uma disparada dos preços do petróleo que derrubou as vendas de seus veículos mais lucrativos. As empresas, além disso, enfrentam uma estrutura de custos que se mostrou insustentável e que coincide com a queda de suas fatias de mercado, segundo o Journal.

Tudo o que sabemos sobre:
FordGMChryslerCrise americana

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.