Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Ford reitera compromisso de vender marcas de luxo

O executivo-chefe da Ford Motor Co., Alan Mulally, disse ontem à noite, durante jantar com jornalistas na sede da companhia, que as condições econômicas atuais dos EUA representam uma dificuldade para os planos de reestruturação da companhia, mas que a montadora segue empenhada em sua revitalização. O executivo afirmou que um dos pontos chaves do plano é a redução dos custos da força de trabalho. Ele se disse "cautelosamente otimista" com a possibilidade de fechar um novo contrato em suas negociações com o sindicato que reúne os trabalhadores da indústria automobilística antes do prazo final de 14 de setembro.Recentemente, a Ford disse que pretende vender suas divisões Jaguar e Land Rover e que até o final do ano decidirá se venderá a Volvo. Durante o jantar, o presidente da Ford Europe, Lewis Booth, disse que o grupo decidirá o destino da Volvo nos próximos dois ou três meses. Ele acrescentou que a fabricante planeja vender a Jaguar e a Land Rover antes do final deste ano ou no início de 2008.Mulally reconheceu que a pressão sobre os mercados de crédito é uma questão importante nesse processo, mas afirmou que isso não está atrasando a venda. Booth disse que a venda dessas divisões e possivelmente da Volvo vai ocorrer porque essas marcas representam uma absorção de capital e talentos. "É uma questão de foco", disse Booth, destacando que a Ford "sente-se muito encorajada pelo interesse que observamos nas marcas européias".Mulally disse que a Ford não precisa de uma marca de carros de luxo global para ser uma montadora de sucesso. Ele afirmou que a companhia concentrará esforços no fortalecimento de seu nome principal. A marca Lincoln, no entanto, continuará sendo comercializada nos EUA. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.