Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Ford tem prejuízo histórico, mas descarta ajuda

Empresa teve maior perda anual da história, mas afirma ter 'liquidez suficiente'.

Da BBC Brasil, BBC

29 de janeiro de 2009 | 12h24

A fabricante americana de automóveis Ford anunciou as maiores perdas anuais de sua história, mas afirmou que não vai pedir ajuda do governo dos EUA.A empresa declarou perdas líquidas de US$ 5,9 bilhões no último trimestre de 2008. As perdas somadas do ano chegam à quantia recorde de US$ 14,6 bilhões.Ao contrário de suas rivais General Motors e Chrysler, a Ford não recorreu aos empréstimos do governo federal.Fabricantes de carros em vários países foram afetadas pela queda na demanda global.Em 2007, a Ford relatou perdas de US$ 2,7 bilhões e em 2006, perdas de US$ 12,6 bilhões, o recorde anterior.A empresa acrescentou que vai cortar 1.200 funcionários de sua divisão de crédito, 20% dos empregados da divisão.Sem empréstimoNo quarto trimestre de 2008, a receita da Ford caiu para US$ 29,9 bilhões, em comparação com uma receita de US$ 45,5 bilhões no mesmo período no ano anterior. As perdas líquidas de US$ 5,9 bilhões foram mais altas do que o esperado por analistas.Apesar dos prejuízos, a Ford divulgou um comunicado dizendo que tem "liquidez suficiente" para financiar seu plano de reestruturação.Segundo a Ford, a empresa não vai precisar do empréstimo, "a não ser que haja uma desaceleração econômica ainda mais profunda, ou um evento significativo na indústria, como a quebra de um de nossos principais concorrentes que cause problemas na base de fornecedores, revendedores ou credores".A Ford já tem garantida uma linha de crédito de US$ 9 bilhões do governo americano, em antecipação de mais problemas pela frente.A GM e a Chrysler já receberam bilhões de dólares em empréstimos de emergência do governo.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.