Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Formato prevê escolha de concessionárias sem leilão

Governo, no entanto, não pode intervir em conflitos sobre unitização e deve custear prospecção

Sérgio Gobetti, O Estadao de S.Paulo

21 de agosto de 2008 | 00h00

O modelo norueguês de exploração do petróleo garante ao governo do país a prerrogativa de escolher sem leilão quais empresas receberão o direito de concessão, mas não prevê a intervenção estatal na solução de conflitos sobre a chamada "unitização" da produção. A necessidade de dividir a produção de determinadas áreas em parcelas individuais existe quando os campos de petróleo pertencem geologicamente a uma mesma camada, como no pré-sal brasileiro.No Brasil, a legislação determina que a Agência Nacional de Petróleo (ANP) faça a partilha quando as empresas envolvidas não chegam a um acordo sobre a "unitização". Na Noruega, essa hipótese não existe. "As empresas precisam negociar; o Estado não arbitra", informa o gerente de projetos da agência norueguesa (NPD), Gunnar Soiland.Segundo ele, é a própria NPD que também assessora o Ministério das Finanças (responsável pela Petoro) a definir em quais "campos estratégicos" o Estado vai entrar como sócio do setor privado e da Statoil, a estatal que teve o capital aberto a sócios privados. Em geral, os geólogos da ANP norueguesa orientam o governo a assumir uma fatia maior dos campos mais produtivos, com o objetivo de obter uma receita maior.As empresas privadas não disputam a concessão em leilão, como ocorre no Brasil, mas em propostas encaminhadas ao Ministério do Petróleo e da Energia. Essas "candidaturas" a sócio nos campos de petróleo são analisadas minuciosamente pelo governo antes da decisão.CUSTONa prática, a Petoro tem participação na grande maioria dos blocos concedidos, com porcentuais de no mínimo 5% e no máximo 63% dos lucros. Em contrapartida, entretanto, a nova estatal também precisa entrar com uma fatia proporcional dos recursos necessários aos investimentos de prospecção. Isso é possível porque o governo da Noruega possui um superorçamento do petróleo e um fundo soberano com quase US$ 400 bilhões.Se o governo brasileiro decidir adotar o mesmo modelo, Soiland avalia que recursos do Orçamento da União terão de ser mobilizados para os investimentos também. Por isso, ampliação da tributação do setor e a criação do fundo soberano seria o ponto de partida para viabilizar essa estratégia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.