Fornecedora da Apple na China é acusada de desrespeitar leis trabalhistas

Abusos da Pegatron Group seriam violação de normas de segurança e ambientais; pagamentos retidos de trabalhadores; e má condições de vida em fábricas

Clarissa Mangueira, da Agência Estado,

29 de julho de 2013 | 12h11

PEQUIM - Novo relatório de um grupo de direitos dos trabalhadores chineses alega abusos de trabalho na Pegatron Corp, uma grande empresa fornecedora que a Apple vem utilizando cada vez mais, à medida que transfere parte do trabalho feito por sua fornecedora de longa data Foxconn.

O relatório, que deverá ser divulgado hoje pela organização não lucrativa China Labor Watch, alega violações de normas de segurança e ambientais; reteve pagamento de trabalhadores, ou cartões de identificação que eles precisavam para trabalhar em outros lugares; más condições de vida nas fábricas na China da Pegatron Corp e duas subsidiárias da companhia.

As ações violam tanto a lei chinesa quanto a política de fornecimento da Apple, e mostram a extensão do desafio que a empresa enfrenta para manter os padrões relativamente altos de trabalho a que se propôs na cadeia de abastecimento eletrônico na China, onde violações do direito do trabalho são comuns.

A Apple disse em um comunicado, que está "comprometida em fornecer segurança e condições de trabalho justas por meio da cadeia de abastecimento". A empresa afirmou que realizou 15 auditorias abrangentes nas unidades da Pegatron desde 2007, incluindo auditorias surpresas nos últimos 18 meses.

A Apple disse que confirmou que alguns contratantes estavam retendo cartões de identificação de trabalhadores e exigiu que a Pegatron acabassem com isso. A empresa dos EUA disse que vai investigar alegações contidas no relatório do China Labor Watch e tomar ações corretivas se necessário.

O executivo-chefe do Pegatron, Jason Cheng, disse que "nós investigaremos (as alegações) totalmente e tomaremos ações imediatas para corrigir quaisquer violações das leis de trabalho chinesas e em nosso código de conduta. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
applechina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.