Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Fornecedora da Fiat cortará 50% dos empregos na Itália

As demissões ocorrerão em oito fábricas da empresa; sindicato disse que as demissões são 'inaceitáveis'

AE-DJ,

14 de maio de 2009 | 17h05

A fabricante de componentes e autopeças Oerlikon-Graziano, fornecedora da Fiat, planeja demitir 1.370 funcionários, pouco mais da metade dos 2,7 mil que possui, por causa da crise no setor automotivo, disse o sindicato Fim Cisl nesta quinta-feira, 14. As demissões ocorrerão em oito fábricas da empresa na Itália. O anúncio foi feito após reunião no ministério da Indústria da Itália. O sindicato disse que as demissões são "inaceitáveis", e acrescentou que o governo italiano deverá promover negociações sobre o assunto nas próximas semanas.

 

Veja também:

especialAs medidas do Brasil contra a crise

especialAs medidas do emprego

especialDe olho nos sintomas da crise econômica 

especialDicionário da crise 

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise

 

Também nesta quinta-feira, 14, a Comissão Federal de Comércio dos EUA (Federal Trade Commission, FTC) aprovou a nova aliança entre a Fiat e a Chrysler. "A transação proposta não levanta questões de concorrência", disse Norman Armstrong Jr., vice-diretor do departamento de concorrência da FTC. O anúncio conclui a revisão antitruste do acordo pelos EUA. A Chrysler pediu concordata no dia 30 de abril e anunciou sua aliança com a Fiat no mesmo dia. Segundo os termos do acordo, a italiana vai ficar inicialmente com uma pequena fatia na Chrysler, em troca do compartilhamento de tecnologia, mas pode um dia vir a controlá-la. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
FiatItália

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.