Forte negociação levou ao final do embargo argentino à carne

O secretário de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura, Maçao Tadano, avaliou que a decisão da Argentina de levantar o embargo imposto à carne brasileira é resultado da forte negociação feita pelo governo brasileiro nos últimos dias.Ele lembrou que, na terça e quarta-feira, em reuniões em Montevidéu, no Uruguai, o diretor do Departamento de Defesa Animal da secretaria, Jorge Caetano Júnior, ratificou aos representantes dos países que integram o Conselho Agropecuário do Sul (CAS), as medidas adotadas pelo País para conter o foco de febre aftosa registrado em propriedade do município de Monte Alegre, no Pará.Além do Brasil e da Argentina, Paraguai, Uruguai, Chile e Bolívia integram o CAS. O presidente do Serviço Nacional de Qualidade e Sanidade Agroalimentar da Argentina (Senasa), Jorge Nestor Amaya, também participou da reunião. Ontem, para enfatizar as medidas de controle, o chefe da Divisão de Assuntos Sanitários e Fitossanitários da secretaria, Adauto Lima Rodrigues, esteve com o subsecretário de Economia e Agricultura da Argentina, Javier Orquisa. O próprio ministro Roberto Rodrigues manteve contatos com o secretário de Agricultura da Argentina, Miguel Campos, para esclarecer que o foco foi registrado fora da área autorizada para exportação.O Senasa comunicou hoje ao governo brasileiro a liberação da importação de carnes brasileiras a partir da meia-noite de hoje, pondo fim a um embargo que vigora desde o último dia 23 deste mês. A Argentina era o último país a proibir as compras de carne do Brasil. A Rússia, que também tinha suspendido as importações por conta do foco de Monte Alegre, anunciou o fim do embargo na quarta-feira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.