Foxconn vai gerar 100 mil vagas em 5 anos, diz Pimentel

Apesar das dúvidas levantadas por parte do mercado sobre os 100 mil empregos que podem ser criados no Brasil com os investimentos de US$ 12 bilhões anunciados pela Foxconn, durante visita da presidente Dilma Rousseff à China, o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel, afirmou hoje que, no longo prazo, a geração de tantas vagas de trabalho é factível.

EDUARDO RODRIGUES, Agencia Estado

20 de abril de 2011 | 14h53

"A Foxconn é uma empresa enorme. Para nós, 100 mil empregos é muito, mas para ela não. Além disso, trata-se de um processo longo de investimentos, planejado para cinco ou seis anos. Não serão 100 mil empregos da noite para o dia, mas é perfeitamente possível que a empresa confirme o plano", afirmou. O ministro participou hoje do programa "Bom Dia Ministro", na sede da Empresa Brasil de Comunicação (EBC).

A empresa, de capital taiwanês, pretende investir US$ 12 bilhões no Brasil para a construção de uma fábrica de displays digitais utilizados em tablets, celulares, TVs e laptops, no que seria um dos maiores projetos já desenvolvidos por uma companhia estrangeira no País.

Câmbio

O ministro admitiu ainda que o real deverá permanecer valorizado nos próximos anos, mas afirmou que o patamar atual está acima do ideal, pois prejudica a produção nacional e retira competitividade das mercadorias brasileiras. "Países fortes têm moedas fortes, não vamos esperar que o real caia de uma hora pra outra. Agora, o real não deve estar em um patamar tão alto que prejudique a produção nacional", disse.

Segundo ele, o governo continuará combatendo a valorização excessiva da moeda. "Não posso dizer quais, porque não é a minha área, mas novas medidas serão adotadas pelo governo", completou. Pimentel culpou as ações do governo norte-americano no sentido de desvalorizar o dólar para dar maior competitividade a sua economia, que ainda não conseguiu se desvencilhar por completo dos efeitos da crise financeira internacional.

Além disso, destacou o ministro, o bom momento do Brasil tornou o País um dos principais alvos dos investimentos estrangeiros, aumentando a entrada de dólares no mercado brasileiro. "Esse segundo problema é um bom problema, nós sempre trabalhamos para que isso acontecesse", concluiu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.