Fraca demanda reduz em 16% vendas da CSN no 2º trimestre

O volume de vendas da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) somou 1,137 milhão de toneladas no segundo trimestre de 2005, o que representa uma queda de 16% em relação ao mesmo período do ano passado. Segundo a empresa, a queda deve-se basicamente ao fraco desempenho da demanda doméstica (o consumo de aços planos no Brasil decresceu 7% no período) e da continuidade da trajetória declinante dos preços no mercado internacional (por sua vez, resultado da também fraca demanda dos principais mercados consumidores).No acumulado do ano, o volume vendido apresenta 6% de declínio em relação ao primeiro semestre de 2004. Segundo a empresa, com a redução do volume de vendas, o nível de estoques de produtos acabados permaneceu praticamente inalterado em relação à posição de março, apresentando suave queda.Já o lucro líquido consolidado da CSN caiu 1,01% no segundo trimestre deste ano, em relação ao mesmo período de 2004, para R$ 419,202 milhões. A receita líquida caiu 0,66%, para R$ 2,545 bilhões. A receita no mercado externo recuou 28,9%, para R$ 700,086 milhões. O lucro bruto somou R$ 1,214 bilhão, um aumento de 1,84%.A companhia teve despesa financeira líquida de R$ 213,784 milhões, uma queda de 54,45% em relação ao segundo trimestre do ano passado. O Ebitda totalizou R$ 1,213 bilhão. Uma alta de 2,88%. Em 30 de junho, o patrimônio líquido era de R$ 7,477 bilhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.