Fracassa reunião de senadores sobre montadoras

Segundo congressistas, fracasso se deve à recusa do sindicato em aceitar reduções de salários

HÉLIO BARBOZA, Agencia Estado

12 de dezembro de 2008 | 01h57

Terminou sem acordo a reunião dos senadores republicanos para discutir o pacote de socorro às montadoras. Os senadores atribuíram o fracasso da reunião ao sindicato dos trabalhadores da indústria automotiva (United Auto Workers - UAW). Segundo os congressistas, o sindicato disse ao representante dos republicanos nas negociações, o senador Bob Corker, que não aceita reduções de salários como parte do acordo.   Veja também: Ex-presidente da Nasdaq é preso por fraude bilionária nos EUA De olho nos sintomas da crise econômica  Dicionário da crise  Lições de 29 Como o mundo reage à crise    "Tentamos muitíssimo chegar a um ponto em que pudéssemos legislar", disse o líder da maioria, o senador Harry Reid. "Estou terrivelmente desapontado", completou.   O principal obstáculo encontrado para o acordo foi a data a partir da qual os empregados das montadoras norte-americanas concordariam em aceitar uma redução geral dos salários. O objetivo é deixar o valor mais próximo do que recebem os funcionários das montadoras estrangeiras.   O líder da minoria, senador Mitch McConnell, disse que os líderes sindicais se recusaram a aceitar a fixação de uma data para o corte dos custos trabalhistas. Os republicanos vinham pressionando pelo estabelecimento de uma data, já no próximo ano. "Ficamos a cerca de três palavras de um acordo", disse o senador Bob Corker. "Parece que o UAW exagerou", acrescentou outro senador, Jim DeMint.   Como parte do pacote, sindicatos, diretoria, fornecedores, concessionárias, acionistas e detentores de bônus teriam de concordar em sofrer uma perda financeira para ajudar a reestruturação das empresas. Segundo Corker e o senador democrata Christopher Dodd, todas as outras questões haviam sido resolvidas, incluindo a proposta para que as companhias avaliassem com os detentores de seus bônus a troca de dois terços da dívida por ações.   A Câmara aprovou uma versão do pacote que se baseava num acordo fechado na noite de quarta-feira entre os congressistas democratas e a Casa Branca. O projeto aprovado pelos deputados concede empréstimos de curto prazo às montadoras num total de US$ 14 bilhões e estabelece diversas condições para o recebimento do dinheiro, incluindo a apresentação de um plano de reestruturação pelas companhias e a criação de uma espécie de ministro para o setor, o "czar" dos carros, que ficaria encarregado de supervisionar a reorganização das companhias.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAcrisemontadorasSenado

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.