Jefferson Rudy/Agência Senado
Jefferson Rudy/Agência Senado

Fracasso em aprovar reforma da Previdência não pode ser descartado, diz Fitch Ratings

Agência avalia que o governo de Jair Bolsonaro precisa formar coalizão no Congresso para a aprovação do projeto, considerado 'elemento central' para ajuste das contas públicas

Altamiro Silva Junior e Victor Rezende, O Estado de S.Paulo

02 de abril de 2019 | 13h04

SÃO PAULO - O governo de Jair Bolsonaro tem uma agenda ambiciosa de reformas, mas a implementação das medidas e o timing da aprovação no Congresso permanecem sem clareza, avalia a agência de classificação de risco Fitch Ratings nesta terça-feira, 2.

"O fracasso em aprovar a reforma [da Previdência] não pode ser descartado e pode representar um desafio para as finanças públicas, bem como prejudicar a recuperação econômica", afirma a analista de rating soberano para Brasil, Shelly Shetty. "A reforma é politicamente impopular e o governo tem ainda que formar uma coalizão firme no Congresso para aprová-la."

A avaliação da Fitch é que a proposta de reforma da Previdência apresentada por Bolsonaro ao Congresso é um "elemento central" para o ajuste das contas públicas. Mas a analista acredita que provavelmente o texto será diluído durante a tramitação no Congresso.

A não aprovação da reforma, além de prejudicar o desempenho do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil pelos próximos anos, teria impactos negativos para a trajetória de médio prazo da dívida pública, segundo a agência.

Crescimento modesto na América Latina

A Fitch afirmou também que o crescimento econômico na América Latina "provavelmente permanecerá modesto e altamente desigual" este ano à medida que algumas economias maiores permanecerão em um caminho de crescimento "razoavelmente lento", enquanto a Argentina registrará outra contração econômica anual. De acordo a agência, os riscos externos, os riscos políticos e os desafios de consolidação fiscal são os três principais desafios para os países da América Latina.

Entre os riscos externos, a Fitch aponta para a volatilidade dos preços das commodities, uma desaceleração mais rápida do que o esperado na China, tensões no comércio internacional e um aperto mais rápido do que o previsto das condições de financiamento internacional. Já os riscos políticos citados pela agência estão relacionados à aprovação de reformas no Brasil e um ambiente político "potencialmente menos favorável para investimento e crescimento sob o novo governo no México", enquanto um ciclo eleitoral incerto e imprevisível na Argentina também é lembrado como um possível cenário que atraia mais volatilidade na América Latina.

Em relação ao México, a Fitch pontua que há riscos para as finanças públicas do país. "Medidas de apoio do governo para a estatal petrolífera Pemex anunciadas até hoje tiveram um impacto menor nas finanças públicas e sugerem que o governo está preocupado em proteger seu próprio perfil de crédito. No entanto, essas medidas são insuficientes para permitir que a empresa invista o bastante para estabilizar a produção de petróleo".

Já o processo de ajuste econômico da Argentina é visto pela agência como "misto", tendo em vista que "o balanço de riscos ainda se inclina para o lado negativo". A Fitch ressalta que o governo de Mauricio Macri cumpriu a meta de déficit primário de 2018 acordada com o Fundo Monetário Internacional (FMI), mas lembra que "a consolidação adicional poderia ser desafiada pela contínua contração econômica". 

Paulo Guedes na CCJ AO VIVO

Acompanhe aqui outras informações sobre a presença do ministro da Economia na CCJ da Câmara dos Deputados para debater reforma da Previdência.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.