Fraga acusa administradoras de cartão

O presidente do Banco Central (BC), Armínio Fraga acusa as administradoras de cartão de crédito de estarem em conluio, aplicando a mesma política de redução de juros ao consumidor. Fraga explicou que, embora possa não haver um acordo tácito, o que tem ocorrido é que todos estão cobrando taxas de juros no mesmo nível. De acordo ele, a forma para acabar com esse esquema é aumentar a concorrência no setor. O BC, no entanto, não é responsável pela fiscalização das empresas de cartões de crédito, já que não são consideradas empresas financeiras.Para o diretor de produtos financeiros da Federação Brasileira das Associações de Bancos (Febraban), Antônio Fernando Burani, a acusação de Fraga não faz sentido. "As empresas de cartões e bancos são administradas independentemente, mas têm os mesmos custos de captação e a mesma carga tributária." Segundo ele, o que varia é o custo operacional, inadimplência, público e política de expansão de cada empresa. As empresas administradoras de cartões de crédito negam "conluio ou orquestração" na formação de taxas. Segundo o diretor da Associação Brasileira das Empresas de Cartões e Serviços (Abecs), Sady Dalmas, as anuidades variam entre R$ 70,00 e R$ 240,00, e as taxas cobradas entre 6,5% e 9,5% no crédito rotativo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.