Fraga elogia Meirelles e volta a defender autonomia do BC

O ex-presidente do Banco Central Armínio Fraga parabenizou o atual presidente do BC, Henrique Meirelles, pela condução "com firmeza e clareza" nesta fase de transição da economia. Segundo Fraga, esta clareza operacional da instituição projeta uma política monetária promissora, com a qual os objetivos e os métodos do BC são amplamente compreendidos. Evitando comentários sobre a mais recente decisão do Comitê de Política Monetária (Copom), que reduziu a taxa básica de juros, Selic, em 2,5 pontos porcentuais ? de 24,5% ao ano para 22% ao ano ?, Fraga disse que esta clareza operacional é um dos caminhos fundamentais para o crecimento do País. Defendeu que o BC deve ter, além dessa clareza operacional, também uma clareza institucional, que, embora tenha avançado nos últimos anos neste sentido, ainda não foi alcançada. Para que isso aconteça, enfatizou, é necessária a autonomia operacional do BC. "O BC deve ter o ônus de poder tomar suas decisões visando o médio e o longo prazo", disse o ex-presidente do BC. Taxa de equilíbrioQuestionado sobre qual seria o juro real de equilíbrio, Fraga respondeu que esta é uma pergunta crucial que ele e sua equipe faziam o tempo todo no BC. Segundo ele, não há resposta exata para tal pergunta. "Não sei qual é este número. O BC tem que ir testando os limites aqui e ali", explicou Fraga, destacando que o governo está criando a base para que o País chegue a uma taxa de juro real de um dígito. "Não vejo como o País possa se desenvolver sem resolver esta questão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.