Fraga fala no JP Morgan; Kissinger presente

O presidente do Banco Central, Armínio Fraga, disse na tarde desta quinta-feira ao sair da reunião que teve no banco JP Morgan que os resultados do déficit em conta corrente no Brasil estão surpreendendo positivamente."Estamos revisando os números do déficit todos os dias para baixo", afirmou Fraga, que fez nesta quinta-feira uma exposição sobre a economia brasileira para o conselho internacional do banco.Fraga informou que a reunião dele no JP Morgan contou com a presença de dez grandes empresários, além do presidente do banco, Bill Harisson, e dos ex-secretários de Estado Henry Kissinger e George Schultz. Questionado se os executivos presentes à reunião estavam otimistas, Fraga limitou-se a responder que era algo difícil de se afirmar."Eles estão olhando para ver o que acontece no mundo", afirmou o presidente do BC. "Se o mundo se recuperar, é uma coisa. Se o Brasil se ajustar, o peso é maior", acrescentou. Para ele, o que não pode haver é um "double dip" (dupla recessão) na economia norte-americana, o que implicaria um cenário bem mais complicado do que o atual.Indagado se pretende trabalhar nos Estados Unidos após deixar o BC, Fraga respondeu aos jornalistas: "Não é minha intenção trabalhar aqui. Tomei a decisão de só começar a pensar nisso quando sair do BC. E tenho ainda uma quarentena de quatro meses".O presidente do BC faz nesta quinta-feira à noite uma apresentação num jantar oferecido pelo Money Market Eers, cujo convite foi feito pelo Fed de Nova York. A maioria dos participantes é ligada a gestores de renda fixa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.