StckXchng
StckXchng

Fralda inteligente alerta os pais sobre saúde do bebê

Sistema criado por pais de uma menina de um ano está em testes em hospital de Nova York

Economia & Negócios,

17 de julho de 2013 | 19h28

SÃO PAULO - Casais com filhos sabem o problema que enfrentam quando o bebê chora e eles tentam advinhar o motivo. Um casal americano inventou uma solução tecnológica que ajuda descobrir a causa do choro da filha de um ano.

Jennie Rubinshteyn e Yaroslav Faybishenko tiveram a ideia ao ver a filha chorando no banco de trás do carro. Eles criaram uma fralda inteligente que avisa os pais se o bebê está com algum problema de saúde.

A fralda está em testes em um hospital de Nova York e o casal já criou uma empresa iniciar a produção e venda, assim que ela for aprovada.

Já existe no mercado um aplicativo da empresa Huggies que avisa quando a fralda do bebê precisa ser trocada. Ela funciona com um sensor chamado 'Tweet Pee', que monitora o nível de umidade e envia um torpedo para o celular dos pais.

A novidade criada por Jennie e Yaroslav é uma fralda que coleta informações sobre a urina do bebê e analisa a sua saúde. Um painel com reagente seco na parte da frente da fralda funciona como um código QR, aquele código bidimensional que pode ser lido por telefones celulares.

O dispositivo envia as informações sobre a urina por um aplicativo para o celular cadastrado. As informações ficam armazenadas e criam um padrão que permite identificar infecções, desidratação ou problemas renais. O aplicativo dispara um alerta se algo incomum é encontrado.

"Eu ficava meio paranoica perguntando a mim mesmo e ao meu marido se havia algo errado quando a nossa filha chorava", explicou Rubinshteyn, de 35 anos, à rede ABC News. O casal diz que o drama doméstico abriu caminho para um novo negócio, de produção de fraudas a partir de 'tecidos inteligentes'.

"Funciona como um sistema de vigilância da saúde e também alerta se a fralda está molhada", explica Rubinshteyn, que tem MBA pela Universidade da Pensilvânia e trabalha na área finanças.

O marido trabalha com informática e tem experiência em tecnologia de saúde e alimentos. A empresa criada pelos dois se chama Pixie. As fraldas inteligentes estão em testes no Hospital Presbiteriano de Nova York, e o casal tenta obter aprovação junto ao Food and Drug Administration para testar as fraldas em hospitais pediátricos.

O objetivo é levá-las a hospitais e, em seguida, para o mercado. O preço não está definido ainda, mas de Faybishenko diz que a fralda poderá custar entre 30% e 40% mais que as comuns.

Procurado pela rede ABC, o pediatra Ari Brown, autor de livros sobre cuidados na primeira infância, demonstrou preocupação com o produto. "Eu não acho que isso seja necessário para uma criança média", disse ele. "Infecções precisam de exames mais cuidadosos e um aplicativo como esse pode ser um problema para os pais muito ansiosos", comentou ele. "Pode ser muito alarmante".

Veja como funciona o aplicativo que avisa que a fralda precisa ser trocada:

 

Tudo o que sabemos sobre:
saúde infantil

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.