França continuará a implementar reformas, diz Moscovici

O rebaixamento do rating da França pela Moody''s vai encorajar o governo a buscar as reformas econômicas que começou, afirmou o ministro das Finanças francês, Pierre Moscovici. A Moody''s cortou a nota do país de AAA para Aa1 e disse que as reformas do governo para melhorar a economia, incluindo transferências de impostos do mercado de trabalho, não deverão ser suficientes para restaurar a competitividade do país. "Eu considero essa decisão um convite para continuar e ampliar de maneira rápida e absoluta as reformas iniciadas pelo governo", declarou o ministro durante entrevista coletiva.

AE, Agencia Estado

20 de novembro de 2012 | 09h53

A primeira razão dada pela Moody''s para o rebaixamento é o risco para o crescimento econômico imposto pelos problemas com a estrutura da economia da França. Com previsões "excessivamente otimistas", o governo terá dificuldade para cumprir o seu objetivo de reduzir o déficit público abaixo de 3% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2013, de 4,5% este ano, disse a Moody''s.

Moscovici ignorou a crítica e manteve a meta de déficit do governo déficit e sua previsão de que a economia deve crescer 0,8% em 2013. Ele insistiu que o sistema bancário do país era sólido. "O setor bancário está mais sólido que há um ano", afirmou o ministro. "O setor reduzir sua dependência de financiamento do mercado, melhorou sua exposição a certo países e aumentou seu próprio capital." As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
FrançaMoscovicireformasrating

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.