Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

França e Reino Unido escapam de recessão

Dados divulgados ontem mostram que os países cresceram um pouco em 2011, mas reforçam as análises que a recuperação da Europa será lenta

ANDREI NETTO, CORRESPONDENTE / PARIS, O Estado de S.Paulo

29 de março de 2012 | 03h07

Duas das maiores potências econômicas da Europa, a França e o Reino Unido, escaparam por pouco da recessão no conjunto do ano de 2011. Taxas de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) divulgadas ontem indicaram que Paris e Londres conseguiram registrar crescimento positivo no ano passado, apesar da amplitude da crise financeira que atingiu em cheio o continente.

A economia francesa cresceu 0,4% no quarto trimestre, fechando o ano com aumento de 1,7%. Já a britânica mostrou resultados piores: encolheu 0,3% no quarto trimestre, fechando o ano com alta de apenas 0,7%.

Os dados comprovam o ritmo lento das maiores economias da Europa - exceção feita à Alemanha. A França conseguiu escapar da recessão no último trimestre de 2011, mas a tendência apurada pelo Instituto Nacional de Estatísticas e de Estudos Econômicos (Insee) é de desaceleração. O primeiro trimestre deve marcar a estagnação da economia. Os prognósticos só voltam a ficar positivos no segundo trimestre, quando o crescimento deve voltar, mas com apenas 0,2%. Para o ano, o resultado também deve ser pífio: 0,7%.

Poder de compra. Os resultados já se fazem sentir no cotidiano dos franceses. Conforme o Insee, o poder de compra está estagnado, o consumo sofre com uma taxa de poupança das famílias recorde desde 1983 e a margem de lucro das empresas, de 30,1%, é a mais baixa desde 1985.

Mesmo com a performance fraca, a França ainda registra um desempenho melhor do que o de outras potências da União Europeia. No conjunto da zona euro, o PIB recuou em 2011: -0,3% no quatro trimestre. Itália, quarta maior economia do bloco, verificou recuo de 0,7%, enquanto na Espanha a perda foi de 0,3%.

Outro mau desempenho foi verificado pelo Reino Unido. Segundo o Escritório Nacional de Estatísticas (ONS), o desempenho da economia britânica foi 0,1% pior do que o estimado no quarto trimestre de 2011 - surpreendendo analistas. O país só não entrou oficialmente em recessão técnica - definida por dois trimestres consecutivos de crescimento negativo - porque o terceiro trimestre havia registrado alta de 0,6%. No conjunto do ano, a alta do PIB é decepcionante: 0,7%. /COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.