França intervém para garantir entrada de Bové em Hong Kong

O ativista francês José Bové, famoso por seus protestos antiglobalização, foi detido por policiais no aeroporto de Hong Kong nesta segunda-feira. Para ser liberado, ele telefonou para o diretor-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), Pascal Lamy, que entrou em contato com as autoridades chinesas. Segundo o porta-voz da OMC, Lamy explicou que o ativista tem a credencial para participar do evento. Bové já foi preso diversas vezes por causa de suas manifestações. As mais famosas foram devidas a protestos que resultaram na destruição de uma loja do McDonalds e de plantações de alimentos transgênicos.Radicais Cerca de 10 mil manifestantes devem participar dos protestos contra a OMC ao longo desta semana - 5 mil locais e 5 mil estrangeiros. A polícia está atenta aos ativistas que vêm de outros países. Entre os mais radicais estão os sul-coreanos. Na reunião da OMC em Cancún, em 2003, um agricultor da Coréia do Sul se matou com uma facada em protesto às políticas rurais discutidas pelos países-membros da instituição.No mês passado, dois agricultores sul-coreanos se mataram ingerindo veneno. Eles eram contra a abertura no mercado de arroz no país.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.