coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

França pede que negociações de Doha sejam repensadas

A responsável francesa de Comércio Exterior, Christine Lagarde, disse nesta quinta-feira que é preciso "repensar o perímetro e as modalidades" das negociações na Organização Mundial do Comércio (OMC), que ficaram estagnadas no tema agrícola."Não se trata de deixar de lado o dossiê agrícola, mas vejo que há uma concretização de todas as irritações e dificuldades da negociação", disse, ao ser perguntada sobre a suspensão das discussões na OMC, decretada após o fracasso dos principais países em superar suas divergências.O tema agrícola é "tão irritante" e obstaculiza tanto as negociações que deve ser refletido sobre "como é preciso tratá-lo melhor, o que significa talvez tratá-lo de outra maneira"."Quando não se consegue negociar sobre um ponto, ele é deixado de lado ou tratado separadamente", disse a ministra.Christine acrescentou que, por isso, se pergunta se não seria melhor "redimensionar a negociação e ver como os temas agrícolas poderiam ser tratados sem prejudicar os interesses do desenvolvimento e dos países industrializados em matéria industrial e de serviços".Reflexão no ar A responsável do Comércio Exterior disse que até agora não houve uma concertação com os membros da União Européia sobre isto, mas "é uma reflexão que está no ar".Ela insistiu na necessidade de "refletir todos juntos sobre o perímetro (das negociações), os obstáculos, seu caráter insuperável ou não, e ver que alternativas são possíveis", em particular se a dimensão das negociações pode ser alterada.O diretor-geral da OMC, Pascal Lamy, decidiu em julho suspender as negociações de liberalização comercial da rodada de Doha diante do fracasso de uma reunião ministerial em Genebra dos principais países negociadores, como os Estados Unidos, a UE e os grandes países emergentes.

Agencia Estado,

10 de agosto de 2006 | 10h29

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.