França pode ter jornada de trabalho mais longa

O Senado francês vota hoje o projeto que deve tornar as férias prolongadas e a jornada semanal de 35 horas dos franceses um fato do passado. A votação final do projeto defendido pelo governo permitirá que as companhias negociem novos contratos, o que, na prática, deverá resgatar a jornada de 39 horas semanais. A Assembléia Nacional, a Câmara Baixa, aprovou a reforma por 370 votos a favor e 180 contrários, em primeira votação, no mês passado, quase três após as eleições gerais terem tirado os socialistas do poder.Os conservadores aliados ao presidente Jacques Chirac, defensores ferrenhos das mudanças, controlam as duas casas do Parlamento francês. O governo socialista introduziu a jornada de 35 horas semanais entre 1998 e 2000, como forma de reduzir o crescente desemprego, considerando que as empresas ampliariam as contratações para preencher suas necessidades produtivas. Mesmo assim, a França continuou mantendo uma taxa de desemprego ao redor de 10%.Para Chirac e seus aliados, a semana de 35 horas semanais tem sido um freio para o crescimento econômico e a criação de empregos. A nova medida não deve formalmente desmantelar com a jornada de trabalho de 35 horas semanais, mas é mais flexível, dando aos trabalhadores a opção de trabalharem mais - em termos voluntários. Opositores ao projeto argumentam que ele efetivamente exterminará com a semana mais curta.No início do mês, cerca de um milhão de pessoas participaram de greves em vários pontos do território francês contra a reforma e também contra outras ameaças de mudanças dos benefícios concedidos aos trabalhadores e remunerações do setor público.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.