PHILIPPE WOJAZER | REUTERS
PHILIPPE WOJAZER | REUTERS

coluna

Fernanda Camargo: O insustentável custo de investir desconhecendo fatores ambientais

França se movimenta para tirar Ghosn do comando da Renault, mas defende aliança

Ghosn, um dos líderes mais conhecidos da indústria automobilística, foi preso depois que a Nissan divulgou que ele cometeu irregularidades

Reuters

20 de novembro de 2018 | 11h53

O governo da França se movimentou nesta terça-feira, 20, para tirar Carlos Ghosn do comando do Renault, um dia após a prisão do executivo no Japão por alegações de má conduta financeira, mas tentou defender a aliança da montadora com a Nissan, abalada pelo escândalo.

Ghosn, um dos líderes mais conhecidos da indústria automobilística, foi preso na segunda-feira depois que a Nissan Motor divulgou que ele cometeu irregularidades, incluindo declarações valores menores que os pagos a ele pelo grupo. A montadora japonesa planeja tirá-lo da presidência do conselho na quinta-feira.

“Carlos Ghosn não está mais em posição de liderar a Renault”, disse o ministro francês das Finanças, Bruno Le Maire, à rádio France Info, pedindo que o conselho da Renault se reúna “nas próximas horas” para criar uma estrutura interina de gerenciamento.

O Estado francês possui 15% da Renault, que por sua vez detém 43,4% da Nissan em uma complexa aliança concebida por Ghosn há quase 20 anos e que alguns analistas acreditam que pode se desintegrar sem que o executivo de 64 anos a conduza.

O conselho da Renault se reunirá nesta terça-feira, disse um porta-voz da companhia. Fontes familiarizadas com o assunto disseram à Reuters que discutiriam a substituição temporária de Ghosn.

“Não exigimos a saída formal de Ghosn do conselho de administração por uma simples razão, que é a de que não temos nenhuma prova e seguimos o devido procedimento legal”, disse Le Maire.

Ele disse que entraria em contato com seu colega japonês sobre o assunto, e que a parceria da Renault com a Nissan era do interesse da França e do Japão, e de ambas as empresas.

“A Renault está enfraquecida, o que torna tudo mais necessário para agir rapidamente”, disse Le Maire.

As ações da Renault recuavam 2% por volta das 9h50 (horário de Brasília). As ações da Nissan fecharam em baixa de 5,45%, enquanto as da Mitsubishi Motors, o terceiro membro da aliança, caíram quase 7%.

Tudo o que sabemos sobre:
NissanRenaultCarlos Ghosncorrupção

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.