Francês ganha o Nobel de Economia 2014 por estudo sobre poder de mercado das empresas

Francês ganha o Nobel de Economia 2014 por estudo sobre poder de mercado das empresas

Jean Tirole estudou o poder de mercado de empresas de diversos setores e formulou políticas específicas de regulamentação da concorrência

, O Estado de S. Paulo

13 de outubro de 2014 | 08h00

Um trabalho sobre o poder de mercado e a regulamentação de concorrência rendeu ao professor francês Jean Tirole o prêmio Nobel de Economia 2014, anunciou nesta segunda-feira, 13, em Estocolmo, a Academia Real das Ciências da Suécia.

Pesquisador do Centro Nacional de Pesquisa Científica (CNRS) e da Universidade de Toulouse Capitole, Jean Tirole é um dos economistas mais influentes atualmente, segundo a Academia Real. De acordo com a organizadora da premiação, "Tirole fez importantes contribuições teóricas em várias áreas, mas acima de tudo esclareceu como compreender e regular setores com algumas empresas com poder de mercado". 

Muitos setores são dominados por um pequeno número de grandes empresas ou por um monopólio. Tais mercados podem produzir resultados sociais indesejáveis, como preços mais elevados influenciados por custos ou empresas improdutivas que sobrevivem ao longo do tempo porque há um bloqueio da entrada de novas e mais produtivas companhias. 

A pesquisa de Tirole aponta como deve ser o acordo do governo com fusões ou cartéis e como este deve regular os monopólios.

Antes do pesquisador francês, outros formuladores de políticas procuraram por princípios gerais para todas as indústrias. Eles defenderam regras simples, como limitar os preços para os monopolistas e proibir a cooperação entre empresas concorrentes, mas permitir que houvesse essa cooperação entre empresas em diferentes posições na cadeia de valor. Tirole mostrou teoricamente que tais regras podem funcionar bem sob certas condições, mas têm mais efeitos negativos do que positivos em outras. 

Estabelecer preços máximos pode fazer com que a empresa com poder de mercado reduza custos - uma coisa boa para a sociedade -, mas também pode permitir lucros excessivos. Segundo Tirole, a cooperação para fixar preços em um mercado geralmente é prejudicial, mas na área de patentes pode beneficiar a todos. Já a fusão de uma empresa com seu fornecedor pode incentivar a inovação, mas também distorcer a concorrência. 

O francês conclui que a política de regulamentação da concorrência deve, portanto, ser cuidadosamente adaptada às condições específicas de cada indústria. Em uma série de artigos e livros, Jean Tirole apresentou um quadro geral para a concepção dessas políticas e como aplicá-las em diversos setores, desde a telecomunicação até os bancos. Com base na pesquisa, os governos podem incentivar as empresas com mais poder de mercado a se tornarem mais produtivas e, ao mesmo tempo, impedi-las de prejudicar os concorrentes e clientes.

Segundo o site da premiação, desde 1969 foram concedidos 45 prêmios Nobel de Economia. Confira todos os ganhadores do prêmio.

Notícias relacionadas
    Mais conteúdo sobre:
    NobeleconomiaprêmioJean Tirole

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.