Francesa Tereos une ativos e cria empresa de US$ 2,5 bi

Francesa Tereos une ativos e cria empresa de US$ 2,5 bi

Nova companhia, a Tereos Internacional. incorpora a Açúcar Guarani e ficará sediada no Brasil

Eduardo Magossi, O Estado de S.Paulo

30 de março de 2010 | 00h00

O grupo francês Tereos anunciou ontem que vai unir suas operações de açúcar e álcool no Brasil (Açúcar Guarani), de cereais na Europa e de cana-de-açúcar na Ásia em uma nova empresa, que será chamada Tereos Internacional e terá sede no Brasil. A nova empresa nasce com uma receita estimada em US$ 2,5 bilhões.

A Tereos Internacional deverá abrir o capital na BM&FBovespa e na Bolsa de Paris após a conclusão do processo de incorporação das ações da Açúcar Guarani - prevista para acontecer até o final de junho de 2010, de acordo com o futuro diretor-presidente da empresa, Andre Trucy. Segundo ele, antes da abertura de capital da nova empresa, haverá um processo de troca de ações da Guarani na BM&FBovespa por ações da Tereos Internacional. Um comitê independente foi contratado para realizar a avaliação dos termos da operação e da relação desta troca.

O diretor-presidente da Açúcar Guarani, Jacyr Costa Filho, ressaltou que a participação do Grupo Tereos na nova empresa apenas será conhecido depois que a incorporação das ações for realizada e a razão de troca for conhecida. "Antes da criação da nova empresa, a Tereos detinha 69% da Açúcar Guarani e 62% do negócio de amido da Tereos na Europa", disse.

A Tereos Internacional pretende utilizar a emissão de ações para se capitalizar e estar competitiva dentro de um novo cenário para o setor sucroalcooleiro que se desenha com a entrada de novos players. "Nos últimos 18 meses, dez grandes grupos do setor foram vendidos e o Brasil viu a entrada de novos participantes externos, principalmente tradings, petroleiras e produtores internacionais que precisam de uma oferta constante de açúcar", disse Trucy.

Dívida. Após a concretização da incorporação das ações da Guarani, o grupo Tereos irá refinanciar sua dívida, estimada em 900 milhões. "Grande parte da dívida refere-se à Açúcar Guarani", disse. A dívida, tomada por meio de financiamento bancário, deve ser equalizada também via mercado financeiro, sem a utilização de instrumentos como emissão de bônus ou outros títulos.

A expectativa é que o processamento de cana-de-açúcar da Tereos Internacional fique em 18,8 milhões de toneladas na atual safra 2010/11, um aumento de 3 milhões de toneladas em relação ao processado pela Guarani em 2009/10. Este crescimento refere-se a um aumento de produção da Guarani 1,4 milhão de toneladas mais a adição dos 1,6 milhão de toneladas da Usina Vertente - na qual a Guarani comprou uma fatia de 50% este ano. O processamento de cana da Tereos Internacional fora do Brasil (em Moçambique e nas usinas de Ilha Reunião e da Tanzânia) deve ficar em 2 milhões de toneladas.

A empresa também estima que haverá sinergia por meio da produção, no Brasil, de produtos de maior valor agregado, que já são feitos com cereais na Europa. Segundo Costa, muitos produtos feitos hoje com cereais, como etanol premium e ingredientes alimentícios, poderão ser feitos com cana-de-açúcar. A expectativa é de que 52% da receita da nova empresa venha das vendas de alimentos e ingredientes e 26% da área de etanol e energia. A Açúcar Guarani produziu 110 mil MW/hora de energia de bagaço de cana em 2009, e esse volume deverá ser ampliado para 300 Mil MW/hora em 2010.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.