Franceses pressionam UE a barrar Brasil na OMC

Produtores franceses de açúcar de beterraba pedem que a União Européia (UE) resista à tentativa do Brasil de questionar na Organização Mundial do Comércio (OMC) os subsídios ao setor. O Itamaraty, juntamente com a Austrália, recorreram à entidade na semana passada para pedir que o apoio doméstico recebido pelos agricultores europeus fossem julgados por árbitros internacionais.Segundo os representantes dos produtores franceses, 28% da renda vem dos subsídios dados pelos governos. Com o fim do regime do açúcar, o temor é de que essas famílias acabem sendo obrigadas a deixar as terras.Em algumas regiões, como em Lille, a beterraba - a partir de que é produzido o açúcar francês - é a segunda fonte de riqueza da população e perde apenas para o turismo. Para funcionários do governo brasileiro, o fato de que quase um terço da renda dos agricultores franceses vem dos subsídios é prova de que o cultivo de beterraba na Europa tem baixa rentabilidade e é altamente ineficaz.O Brasil alega que, ao subsidiar os produtores, os europeus estão impedindo que regiões mais competitivas, como o sudeste brasileiro, possa exportar uma maior quantidade de açúcar ao mercado internacional.Nos cálculos do Ministério da Agricultura, o Brasil poderia ganhar US$ 1 bilhão por ano caso os europeus modificassem suas práticas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.