Frango: mapa descarta doença fora da área interditada no RS

Em nota técnica distribuída nesta terça-feira, o Departamento de Saúde Animal do Ministério da Agricultura informou que não há evidências de enfermidades em aves criadas em estabelecimentos comerciais e de subsistência localizados num raio de 10 km a partir da propriedade localizada no município de Vale Real, no Rio Grande do Sul. Na semana passada, o ministério confirmou um caso de Newcastle em granja de subsistência localizada nesse município. "Amostras para diagnósticos sorológico e virológico foram colhidas, não sendo observadas, até o momento, evidência de doenças", informou o departamento no documento. Desde o diagnóstico da doença, que não afeta humanos, técnicos do ministério fazem trabalho de vigilância na região para evitar a propagação do vírus. O trabalho de vigilância envolve 37 profissionais 25 veterinários, um analista de sistema e 11 técnicos auxiliares - distribuídos em seis equipes. O Ministério da Agricultura investigava desde o dia 4 de maio a suspeita de Newcastle em granja de subsistência localizada no município de Vale Real, no Rio Grande do Sul. O Ministério da Agricultura informou que as guias de trânsito animal na região de Vale Real, no Rio Grande do Sul, só serão emitidas por veterinário oficial. A emissão dos certificados que permitem a exportação está suspensa para os produtos avícolas produzidos na área de 10 km a partir de foco de Newcastle diagnosticado na semana passada no município. Também foram desenvolvidas ações na zona de proteção, que fica num raio de 3 km.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.