DIVULGACAO
DIVULGACAO

Franquias buscam mercado externo para compensar crise

Redes vão para o exterior para combater períodos de oscilação no País; com investimento mais baixo, modelo é atraente

Ian Chicharo Gastim, O Estado de S. Paulo

15 Dezembro 2015 | 03h00

Foi atrás de proteção que o fundador da iGui, marca de piscinas de fibra de vidro, decidiu abrir operações fora do País no início dos anos 2000. Na época, Filipe Sisson buscava uma forma de compensar as oscilações do mercado interno e, mesmo sem retorno financeiro imediato, o empresário diz que manteve-se firme na estratégia. “O retorno no comércio exterior é de longo prazo, nunca tivemos ansiedade. Focamos sempre no atendimento ao cliente e na qualidade do produto”, explica o empresário, que hoje está presente em mais de 30 países, com uma rede de 360 unidades franqueadas – 160 delas internacionais. 

O faturamento da iGui fora do País, diz Sisson, ainda não é “muito representativo”, estando em torno de 19% do total da rede. O empresário defende, porém, que a estratégia é “moralmente importante” para dar fôlego aos negócios da marca, principalmente em um período de crise. “Na Europa vamos crescer 50% em relação ao ano passado. É uma coisa que nos faz levantar a cabeça. Nos dá confiança para superar o momento aqui”, afirma Sisson.

A opção pelo franchising para chegar ao mercado externo é bem atrativa em função do custo menor quando comparado ao gasto de abrir unidades próprias, avalia a professora do núcleo de estratégia e negócios internacionais da Fundação Dom Cabral, Livia Barakat.

“Quem faz o maior investimento no exterior é o franqueado. A empresa não precisa se descapitalizar para ampliar os negócios”, defende.

Diretor de franquias da rede especializada em aluguel de carros Localiza, Bruno Andrade também enxerga nas expansão por franchising uma maneira de alavancar a presença da empresa no exterior, por permitir uma avanço rápido e com um investimento mais baixo. 

“Optamos por esse modelo, que já era sucesso no País, e decidimos fazer lá fora desde 1992”, afirma o diretor da Localiza, que atualmente conta com 64 lojas, de um total de 560 unidades de locação de carros. A rede está presente em oito países da América Latina

Mais conteúdo sobre:
Fóruns Estadão Exportação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.