Fraude no Société Générale pode ter provocado corte pelo Fed?

O anúncio surpreendente de umafraude de 7 bilhões de dólares no Société Générale deixou osinvestidores imaginando se há uma conexão entre o rombo e oterremoto no mercado europeu de ações na segunda-feira. A forte queda, que antecedeu o corte emergencial dos jurosnos Estados Unidos, ocorreu ao mesmo tempo em que o Sociététentava fechar posições montadas por um de seus operadores. O segundo maior banco da França divulgou nesta quinta-feiraque foi vítima de uma enorme e "excepcional" fraude de umoperador de baixo escalão, que resultou em perdas de 4,9bilhões de euros. O banco anunciou também um grande aumento decapital. O Société afirmou que o operador, responsável por fazer ohedge das posições do banco no mercado europeu de ações,assumiu enormes posições fraudulentas em 2007 e 2008. O banco disse ter decidido fechar as posições o mais rápidopossível quando a fraude foi descoberta, no final de semana de19 e 20 de janeiro. Isso fornece outra visão da queda das ações européias nasegunda-feira, 21 de janeiro. Nesse dia, mais de 350 bilhões dedólares em valor de mercado sumiram das principais açõesbritânicas, alemãs e francesas --montante equivalente aoProduto Interno Bruto (PIB) de Hungria e Grécia. O índice FTSEurofirst 300, referência do mercado europeu,caiu quase 6 por cento na segunda-feira, maior queda diáriadesde os ataques de 11 de setembro de 2001. No dia seguinte, o Federal Reserve apareceu com o cortesurpresa de 0,75 ponto percentual na taxa básica de juros. Adecisão tentava limitar a queda das ações norte-americanas navolta do feriado de Martin Luther King. "O enorme montante de futuros à venda pode ter sido uma dasrazões para a queda dos mercados em um precipício nasegunda-feira, e talvez esse tenha sido um ingrediente paraforçar o Fed a adiantar parte de seus cortes no juro", disseAndrew Bell, estrategista europeu da Rensburg Sheppard. Uma fonte do Fed disse que o banco central norte-americanonão tinha conhecimento da fraude no Société Générale quandotomou a decisão sobre os juros, na segunda-feira. VOLUMES GIGANTES Dados da Reuters mostram que o volume dos futuros do índicealemão de ações DAX na segunda, terça e quarta-feira foi omaior em pelo menos cinco anos e duas vezes acima da médiaregistrada neste mês, apesar do feriado nos Estados Unidos nasegunda-feira. Rumores pipocaram na quarta-feira sobre uma baixa contábilpesada no Société Générale, e operadores disseram ser possívelque isso seja por conta da desmontagem de posições maciças porparte do banco. O operador Rik Zwaneveid, da AFS Brokers em Amsterdã,disse: "Na quarta-feira havia a conversa de uma baixa contábilde 40 bilhões de euros no Société Générale. Com as notícias dehoje, um prejuízo de 5 bilhões de euros em 40 bilhões de eurosem posições é algo possível", disse. L'Autorite des Marches Financiers (AMF), órgão regulador domercado francês, se recusou a comentar a movimentação doSociété Générale. GATILHO PARA UM CORTE NOS JUROS? O Federal Reserve reduziu em agosto a taxa de redesconto,usada para os empréstimos feitos diretamente aos bancos, logoapós o BNP Paribas, outro banco francês, assustar osinvestidores com o congelamento, por problemas no setor dehipotecas de alto risco (subprime) nos Estados Unidos, de 1,6bilhão de euros em fundos. Operadores especulam que, dessa vez, os problemas doSociété Générale tiveram o mesmo papel em catalisar a decisãodo Fed. Um operador de crédito na Alemanha disse: "Isso traz apergunta agora: o Fed cortou as taxas por causa de um operadormal-intencionado no Société Générale, que teve que fechar umaposição enorme e mandou o mercado para uma tempestade?" (Reportagem de Sitaraman Shankar, Blaise Robinson, NatalieHarrison e Gilbert Kreijger)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.