Freada na economia, talvez nem tanto
Imagem Celso Ming
Colunista
Celso Ming
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Freada na economia, talvez nem tanto

Pessimismo toma conta da maioria das análises sobre os rumos da economia global para este ano por conta dos recentes desempenhos da China e dos Estados Unidos

Celso Ming*, O Estado de S.Paulo

21 de maio de 2022 | 08h00

Os analistas começaram o ano animados. Previam boa recuperação da atividade econômica, mas, desde março, bandearam para previsões sombrias. É possível que estejam pessimistas demais e que se tenham alarmado com duas incógnitas da equação que envolvem as principais locomotivas da economia global: a dos Estados Unidos e a da China

Foram três os fatores que empurraram os analistas para o mais sombrio: a inflação global e, a partir daí, a reação dos grandes bancos centrais; as consequências imediatas da guerra na Ucrânia; e a brecada acionada pelo governo chinês para conter a nova onda de covid-19

Em abril, a inflação anual chegou a 8,3% nos Estados Unidos e a 7,4% na zona do euro. Vem sendo puxada pela disparada do petróleo, de 48,7% no primeiro quadrimestre; pela alta dos alimentos, principalmente trigo; e pelo forte consumo nos Estados Unidos.

A inflação se espalha e os grandes bancos centrais aumentaram os juros para esfriar a atividade econômica. O presidente do Fed (banco central dos Estados Unidos), Jerome Powell, chegou a advertir que não se pode assegurar pouso suave da economia americana. 

Além de provocar novas disparadas nos preços do petróleo e dos alimentos, a guerra contribuiu para intensificar a desorganização das cadeias de produção e distribuição. O governo da China paralisou a produção em Xangai e Pequim, para contra-atacar o alastramento da pandemia. 

A partir deste cenário, o Fundo Monetário Internacional (FMI) reduziu as projeções do crescimento global do ano, de 4,4% para 3,6%, mas o Instituto de Finanças Internacionais (IIF), que trabalha para os bancos, passou a contar com avanço do PIB global de 2,2% .

Não há indicação de fim da guerra. Entre as lideranças europeias cresce a apreensão do que possa de ruim acontecer na Rússia se o desfecho vier a ser mais favorável à Ucrânia. A depender de que essa percepção se acentue, os chefes de governo do bloco podem conter a ajuda que vêm dando à Ucrânia e/ou reduzir as sanções à Rússia. 

Nos Estados Unidos, não ficou claro até que ponto a inflação e a alta dos juros poderão conter o avanço do PIB. O consumo continua voraz e o desemprego vive baixas históricas, de 3,6% em março. Para cada desempregado há duas vagas de trabalho não preenchidas. 

A incógnita mais sensível é a China. As medidas de lockdown começam a ser abrandadas. Nesta sexta-feira, o Banco do Povo da China (banco central) afrouxou os juros de longo prazo para catapultar o investimento e a construção civil. As projeções de um avanço do PIB da China em 2022, de apenas 3,5%, podem não se confirmar e, nesse caso, a segunda maior economia do mundo pode voltar a liderar o crescimento global, com novo impacto sobre a demanda de petróleo e commodities.

Tudo a confirmar. 

*CELSO MING É COMENTARISTA DE ECONOMIA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.