Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Freio da inflação em 2013, energia elétrica já sobe 11,66% em 2014

No ano passado, redução das tarifas foi de 15,66%, mostram dados apontados pelo IBGE; IPCA em 12 meses estourou o teto da meta 

IDIANA TOMAZELLI, Agência Estado

05 de setembro de 2014 | 12h25


RIO - Depois de terem contribuído para segurar a inflação em 2013, as tarifas de energia elétrica têm ficado mais salgadas para os consumidores em 2014. O item já subiu 11,66% no acumulado de janeiro a agosto. 

No ano passado, a redução nas tarifas foi de 15,66%, de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

"No ano de 2014, um dos itens que tem pressionado (a inflação) é a energia elétrica. Ao contrário de 2013, quando foi o item mais importante para segurar a inflação. Naquele ano foram feitas várias revisões tarifárias e as contas ficaram mais baratas. Neste ano, com os problemas do setor, os reajustes têm sido relativamente altos, e as contas ficaram mais salgadas para o consumidor", afirmou Eulina Nunes dos Santos, coordenadora de Índices de Preços do IBGE.

Em agosto, as tarifas subiram 1,76%, contribuindo com 0,05 ponto porcentual no Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que avançou 0,25% no mês passado. Em 12 meses, o índice acumula variação de 6,51% e estourou, ainda que por pouco, o teto da meta estipulada pelo governo, de 6,50%.

Foram contabilizados reajustes em Belém, Vitória, São Paulo e Brasília. Além disso, houve aumento de impostos em Campo Grande e Goiânia.

Apesar disso, o aumento foi menor que em julho (4,52%), o que levou o grupo Habitação a desacelerar de 1,20% para 0,94%, segundo o instituto.

Tudo o que sabemos sobre:
IPCA,inflação

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.