coluna

Louise Barsi explica como viver de dividendos seguindo o Jeito Barsi de investir

Freqüências para TV digital põem Brasil e EUA em lados opostos

Americanos querem liberar freqüências para usar em telefonia e internet sem fio, mas Brasil tem outros planos

Jamil Chade, O Estadao de S.Paulo

23 de outubro de 2007 | 00h00

O Brasil se opõe aos planos do governo americano de definir as freqüências da TV digital no mundo. O governo vai tentar bloquear a iniciativa americana na conferência que ocorre nesta semana, em Genebra, promovida pela União Internacional de Telecomunicações (UIT). A idéia dos americanos é de permitir que uma banda seja definida rapidamente para que a freqüência usada pela TV analógica possa ser liberada para outros fins, como celulares e internet sem fio. Mas o Brasil é contrário a essa posição. "Enquanto os americanos pegam todas as freqüências existentes para a telefonia, nós precisamos ainda de espaços para outras finalidades. Só a TV pública, por exemplo, precisará de quatro canais", afirmou o ministro das Comunicações, Hélio Costa.Pelos cálculos americanos, a definição das freqüências abriria um espaço de US$ 15 bilhões para o uso comercial das freqüências que seriam liberadas. Mesmo assim, a posição brasileira é bem diferente. "Nosso prazo para a migração para a TV digital é 2016. Não podemos defender que a freqüência seja definida já", disse Costa. Segundo ele, o governo americano gastou US$ 1,5 bilhão para subsidiar a migração de casas onde a renda não permitia a compra de novos aparelhos.Mas os americanos tem outra percepção. O embaixador americano Richard Russel estima que a freqüência é "valiosa demais" para simplesmente esperar. Os americanos querem ter concluído a migração da TV analógica para a digital até fevereiro de 2009."Sabemos que nem todos os países vão se mover no mesmo ritmo, e que os que farão mais tarde não querem uma definição já. Mas nossa avaliação é de que temos de definir a faixa para que empresas possam se sentir à vontade para desenvolver suas tecnologias", disse Russel.Outra briga do Brasil está relacionado à tentativa dos europeus de definir a banda C como de uso exclusivo de celulares. Costa também é contra a proposta. "No Brasil, 18 milhões de pessoas assistem TV por antenas parabólicas que usam essa freqüência", disse.RÁDIOO governo ainda deverá usar a conferência da OIT para tentar fazer avançar os testes com as tecnologias de rádio digital. Há dois anos o governo promove testes com o sistema americano, mas não está satisfeito.Recentemente, testes foram iniciados com a tecnologia européia. Ontem, Costa se reuniu com autoridades européias para pedir uma maior cooperação. "Queremos implementar um novo padrão, mas que seja acessível também às pequenas rádios."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.