Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Frete rodoviário terá aumento imediato de até 15%

As transportadoras rodoviárias de carga vão aumentar os fretes entre 11% e 15% para repassar imediatamente parte do aumento de custos decorrente do reajuste de 20% no preço do óleo diesel, anunciado no dia 1º pela Petrobras. Segundo, o presidente da Associação Nacional do Transporte de Cargas (NTC), GeraldoVianna, a correção dos fretes será de 15,61% para lotações ou cargas completas (quando um só cliente lota o caminhão) e de 11,58% para os serviços de transporte de carga fracionada (com vários tipos de carga).De acordo com Vianna, o peso do frete chega a 20% na formação do preço dos produtos agrícolas, de baixo valor agregado. Por isso, ele calcula que essa mudança representará um aumento real de 3% no preço desses produtos. Já para os itens industriais e de alto valor agregado, onde o peso do frete é menor, o impacto do aumento não deve ultrapassar 2% do preço final da mercadoria.O diesel representa 25% dos custos das transportadoras rodoviárias de carga. Estudos da NTC mostram que o preço do diesel subiu 53,22% nas refinarias de fevereiro até novembro. No mesmo período, o óleo lubrificante aumentou 32%. De acordo com Vianna, está de fato havendo uma forte "pressão inflacionária". A culpa é em grande parte da Petrobras, segundo ele, pois a empresa não tem evitado reajustes nos combustíveis. "A Petrobras deveria ter menos voracidade; com seus altoslucros, ela tem condições de segurar esses aumentos", reclamou. "O próximo governo federal vai assumir com um clima de inflação no ar e isso é muito preocupante".Em outras ocasiões, as transportadoras rodoviárias e os caminhoneiros autônomos não conseguiram repassar para o frete os aumentos dos custos por causa da grande concorrência que existe no setor rodoviário. "Mas, desta vez, não vai ter jeito, pois o reajuste foi muito violento", disse Vianna. Segundo ele, a época do ano também favorece a alta do frete. A produção industrial está sob o típico aquecimento de outubro e novembro e há falta de transportadores para determinados segmentos. "Está faltando caminhão para carga frigorificada, por exemplo; isso favorece as negociações para o transportador". O impacto do reajuste nos combustíveis foi discutido ontem, em São Paulo, durante reunião do Conselho Nacional de Estudos de Transportes e Tarifas (Conet), órgão ligado à NTC.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.