Frigorífico JBS diz que já pode contrair novos créditos

O frigorífico JBS, maior fabricante mundial de carne, disse na quarta-feira que está em melhor condições do que seus competidores para aproveitar a recuperação do mercado internacional de carne e da disponibilidade de crédito.

REUTERS

13 de maio de 2009 | 20h04

O presidente-executivo, Joesley Batista, disse que a JBS estava se desalavancando e se preparando para "tempos difíceis" desde o começo de 2008, e agora está bem posicionada para crescer com "uma posição em caixa forte".

"Vejo todos os nossos concorrentes falando em se desalavancar ao mesmo tempo em que a JBS está começando a pensar em novas oportunidades", disse Batista durante uma apresentação pela Internet na conferência BMO Capital Markets.

"Agora os mercados estão melhorando, os mercados de carne e proteínas, o crédito está voltando... Não estou sugerindo que vamos comprar alguém amanhã, mas estamos falando em como tirar vantagem do que fizemos, como crescer neste novo cenário."

Sem entrar em detalhes, ele afirmou que a empresa está considerando uma nova fase de alavancagem assim que "o mercado financeiro melhorar".

Batista disse que o frigorífico conversa diariamente com "muita gente" sobre possíveis acordos. "Até agora estamos só ouvindo. Não estamos num clima para negociações. Não estamos engajados em nenhuma negociação ainda, mas acho que se as coisas continuarem nesse caminho será hora de começar a negociar", disse ele.

Os frigoríficos brasileiros se alavancaram fortemente durante sua expansão nos últimos anos e foram duramente afetados pelas restrições ao crédito e pela queda na demanda por seus produtos depois do início da crise financeira, no ano passado.

Analistas preveem consolidação no setor. Vários frigoríficos já pediram reestruturação judicial nos últimos meses.

A JBS divulgará seu balanço do primeiro trimestre depois do fechamento dos mercados na quinta-feira.

(Reportagem de Inaê Riveras)

Tudo o que sabemos sobre:
COMMODSJBSEMPRESTIMOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.