''Fuga das galinhas'' vira manifesto

E-mail ironiza saída da Embraer

, O Estadao de S.Paulo

07 de fevereiro de 2009 | 00h00

Nos últimos dois anos, um manifesto anônimo intitulado "A Fuga das Galinhas" circulou no correio eletrônico dos funcionários da Embraer chegando, inclusive, ao alto escalão da companhia. O autor mostra-se indignado e insatisfeito com o tratamento dado aos engenheiros. Essa postura, segundo o texto, é que teria despertado nos profissionais o desejo de procurar novos desafios, em empresas que pudessem valorizar mais a sua alta qualificação técnica. O manifesto foi escrito após um ruidoso episódio entre a Embraer e a fabricante de jatos executivos Gulfstream, ocorrido em setembro de 2006. Na época, a empresa americana publicou um anúncio em inglês num jornal de São José dos Campos, no interior de São Paulo, sede da Embraer, em que oferecia vagas para engenheiros.A Embraer apresentou denúncia à Procuradoria Regional do Trabalho, alegando prática ilegal de comércio. Acusava a concorrente de burlar a legislação para aliciar seus funcionários em São José dos Campos, o que implicaria transferência de know-how e de tecnologia. A Embraer ganhou a disputa, e as entrevistas, que seriam feitas em um hotel na cidade, foram barradas pela Justiça. O funcionário deixa uma referência clara ao episódio no trecho "agora que veio uma Granja do estrangeiro oferecer um galinheiro com tudo que as nossas galinhas já sonharam na vida, principalmente milho, em quantidade e de boa qualidade, o dono do nosso galinheiro pega sua espingarda e, ao invés de atirar no lobo que está ?roubando? as suas galinhas, atira nas suas próprias galinhas". Os americanos estariam no Brasil com visto de turista. Na ocasião, a Gulfstream não se manifestou. O autor do texto teria conseguido fugir, da mesma forma que as galinhas da popular animação americana, e não trabalha mais na Embraer. Dizem que ele hoje dá expediente em Montreal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.