Fuga de dólares continua

Em dezembro, mais de US$ 4 bilhões deixaram o País

Fernando Nakagawa, BRASÍLIA, O Estadao de S.Paulo

31 Dezembro 2008 | 00h00

Dados divulgados ontem pelo Banco Central mostram que os dólares continuam saindo do Brasil em meio aos desdobramentos da crise financeira global. Em dezembro, US$ 4,064 bilhões já deixaram do País. O dado se refere à posição do dia 26. A fuga contrasta com o resultado observado em igual período de dezembro de 2007, quando, sem crise, o Brasil recebeu US$ 5,397 bilhões em novos recursos. A saída dos dólares continua sendo determinada pela chamada conta financeira, onde são registradas aplicações em ações e títulos públicos, investimentos diretos e remessas de lucros. Nessa conta, o mês tem a saída líquida de US$ 4,198 bilhões. Isso quer dizer que investidores estrangeiros continuam vendendo ativos no Brasil para retornar o dinheiro aos países de origem. Ao mesmo tempo, multinacionais mantêm o envio de lucros e dividendos às sedes. A saída de recursos foi, em pequena parte, compensada pelo resultado da balança comercial, responsável pelo ingresso de US$ 134 milhões no período. No ano, o fluxo cambial tem resultado positivo de US$ 1,326 bilhão. O valor lembra pouco os números exuberantes de 2007, quando em igual período o Brasil acumulava ingresso líquido de US$ 87,4 bilhões. O BC também apresentou dados que mostram que o volume de crédito ao exportador voltou a cair. Nos 19 primeiros dias úteis de dezembro, a média diária na concessão de Adiantamentos de Contrato de Câmbio (ACC) somou US$ 156,5 milhões. O valor é 15% menor que a média de novembro. O ACC é o principal instrumento para financiar a produção de mercadorias para o mercado externo. A despeito das medidas do governo para aumentar a oferta desse tipo de crédito, o resultado de dezembro é o pior desde o agravamento da crise em meados de setembro. Na comparação com a média diária daquele mês, o valor é 34,5% menor. Ante outubro, a queda é de 2,6%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.