Regis Duvignau/Reuters
Regis Duvignau/Reuters

'Fui acusado erroneamente e detido injustamente', diz Ghosn em audiência

Ex-presidente da Nissan fez primeira aparição pública desde sua prisão, em 19 de novembro, por supostas irregularidades financeiras

Redação, O Estado de S.Paulo

08 de janeiro de 2019 | 01h37

TÓQUIO -  O ex-presidente da Nissan Carlos Ghosn, preso no Japão por supostas irregularidades financeiras, participou nesta terça-feira, 8, de uma audiência no Tribunal Distrital de Tóquio que visa a justificar o motivo de sua detenção prolongada. Foi a primeira aparição pública do executivo brasileiro desde sua prisão, em 19 de novembro.

No início da sessão, Ghosn apresentou um comunicado em que nega as irregularidades e se diz inocente. "Eu fui acusado erroneamente e fui injustamente detido com base em alegações sem mérito e sem substância", diz o texto.

Mais de mil pessoas tentaram acompanhar a audiência, de acordo com o tribunal, mas só 14 cadeiras ficaram disponíveis para o público em geral. O antigo chefe da Nissan compareceu à sessão de terno e chinelos, parecendo mais magro do que em fotos de antes da detenção.

Na audiência, o juiz Yuichi Tada leu as acusações e disse que o executivo está preso por causa do risco de fuga e para evitar que ele esconda provas.

Os promotores de Tóquio denunciaram o executivo por subestimar, intencionalmente, sua remuneração em dezenas de milhões de dólares nas demonstrações financeiras da Nissan.

Os promotores também acusam Ghosn de se aproveitar de sua posição para conseguir ganhos pessoais. Eles suspeitam que o executivo forçou a empresa a assumir perdas pessoais em investimentos com derivativos. //DOW JONES NEWSWIRES

Mais conteúdo sobre:
NissanCarlos Ghosn

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.