Ygit Cicekci/ Reuters
Ygit Cicekci/ Reuters

coluna

Fernanda Camargo: O insustentável custo de investir desconhecendo fatores ambientais

Funcionário falsificou registro de jatos usados em fuga de Ghosn, diz empresa

Dona de aeronaves afirma que um só empregado confessou ter eliminado nome do ex-presidente da Nissan de documentos, embora Justiça turca tenha efetuado 5 prisões no caso; segundo mídia japonesa, executivo saiu de casa pela porta da frente

The New York Times

04 de janeiro de 2020 | 05h00

TÓQUIO - Novas pistas sobre como o executivo Carlos Ghosn fugiu do Japão surgiram na sexta, 3, depois que uma empresa turca de locação de aviões afirmou que seus jatos foram usados ilegalmente para levar o plano a cabo. Enquanto isso, a mídia japonesa reportou que as imagens das câmeras da segurança da casa de Ghosn, em Tóquio, mostraram o executivo saindo de casa sozinho, no domingo.

As duas informações pintam um quadro do plano que permitiu que Ghosn voasse da cidade de Osaka, no Japão, a Beirute, no Líbano. Ainda assim, alguns detalhes importantes continuam a ser pouco claro. As autoridades do Japão e da Turquia ainda estão investigando como o executivo conseguiu empreender sua escapada da prisão domiciliar.

Ghosn – que insiste na própria inocência – enfrentava quatro acusações de fraude financeira no Japão e esperava um julgamento que poderia ocorrer em algum momento de 2020. Mas ele decidiu fugir, afirmando que não confiava no sistema legal japonês e temendo não ter direito a um julgamento justo. Ele comandou a aliança Renault-Nissan por quase duas décadas. Foi preso em Tóquio, em novembro de 2018. 

A MNG Jet, empresa de aluguel de aviões, disse que um de seus funcionários falsificou registros para remover o nome de Ghosn da documentação de dois voos – um entre Osaka e Istambul, na Turquia, e outro entre Istambul e Beirute. 

Prisões

A companhia disse que o funcionário confessou ter agido sozinho e sem o conhecimento da direção da MNG. O nome do empregado, porém, não foi divulgado. Apesar disso, as autoridades turcas afirmaram ontem que manteriam pressas por um período mais longo cinco pessoas – na quinta-feira, havia detido sete pessoas para interrogatório.

As informações da mídia sobre o caminho de Ghosn entre o Japão e a Turquia batem com os registros de voo da aeronave Bombardier usada pela MNG, de acordo com o site FlightAware, um serviço de monitoramento de voos. A MNG disse ter feito uma queixa criminal na Turquia e diz esperar que “as pessoas que usaram ilegalmente ou facilitaram o uso (das aeronaves) sejam processadas de forma exemplar”.

A companhia embarcou ouro para a Venezuela, ajudando nos esforços do governo para levantar dinheiro, de acordo com o banco de investimento Caracas Capital, que acompanha a movimentação de ouro pelo país. Esse movimento da MNG também foi confirmado por sites de monitoramento de voo. “Se você precisa que alguma coisa seja feita, a MNG é a companhia a se escolher”, disse Russ Dallen, sócio-diretor da Caracas Capital. 

Dúvidas

Não está claro como Ghosn, que enfrentava constante vigilância em Tóquio, conseguiu enganar as autoridades e chegar a Osaka, um aeroporto que fica a mais de 400 km de distância da capital. 

No Japão, algumas reportagens afirmaram que Ghosn saiu de casa, em Tóquio, e nunca mais voltou. Os promotores japonesas estão investigando se Ghosn, após deixar sua casa, encontrou-se com o grupo que ajudou em sua fuga para o Líbano. 

Tanto mistério tem alimentado algumas teorias mirabolantes. Pelo menos um jornal do Líbano reportou que Ghosn foi retirado de casa dentro de uma caixa de instrumento musical. O governo libanês afirmou que Ghosn – que é cidadão francês, brasileiro e libanês – chegou ao país de forma legal, usando um passaporte francês. 

Enquanto isso, as autoridades japonesas têm se mantido em silêncio sobre a fuga do mais famoso réu do país. Promotores fizeram buscas na casa do executivo, em Tóquio. A fuga de Ghosn ocorreu durante o fim de semana de ano novo, o mais importante feriado japonês. 

Na quinta-feira, o ministro da Justiça do Líbano, Albert Serhan, disse que o país recebeu um alerta de prisão da Interpol. O governo libanês disse que vai cumprir suas obrigações, mas isso não deve significar a prisão de Ghosn – e sim um convite para depoimento. O Líbano também já adiantou que não vai deportar o executivo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.